diario as beiras
Desporto

Euro2024: Diogo Costa quer torneio sem invasões e mais “seguro e rico”

24 de junho às 16h02
0 comentário(s)
Foto de Miguel A. Lopes/Agência Lusa

O guarda-redes Diogo Costa pediu hoje um futebol “mais seguro e rico” no Euro2024, referindo-se aos episódios que têm sucedido, no torneio a decorrer na Alemanha, de invasões de adeptos no relvado à procura de Cristiano Ronaldo.

“Acredito que para os adeptos é algo que ambicionam muito fazer, mas é uma situação sempre chata para nós e para a equipa adversária. Preocupa-nos e penso que até já fizemos um comunicado. Queremos que o futebol seja mais seguro e rico”, afirmou Diogo Costa em conferência de imprensa, em Marienfeld, minutos antes de mais um treino de Portugal.

O guarda-redes afirmou ainda ter “aprendido com os erros” cometidos no Mundial2022, em que Portugal foi eliminado nos quartos de final com Marrocos, e espera fazer uma melhor campanha no Euro2024 de futebol, na Alemanha.

“É verdade que no último Mundial não estive no meu melhor. Espero ter aprendido com os erros. Do meu lado, posso garantir trabalho e a promessa que darei sempre o meu melhor”, afirmou Diogo Costa, em conferência de imprensa, minutos antes de mais um treino da seleção nacional em Marienfeld.

No Qatar, naquele que foi a primeira fase final do guardião do FC Porto, Portugal acabou eliminado por Marrocos, por 1-0, com Diogo Costa a ficar muita mal na ‘fotografia’ no golo dos norte-africanos.

No Euro2024, o guarda-redes de 24 anos, em dois jogos, leva apenas um golo sofrido, frente à República Checa, e tem somado poucas intervenções.

“O golo com a República Checa foi um pouco frustrante, porque passei o jogo todo sem ter de fazer uma intervenção clara. Mas, é bom sinal que a bola chegue poucas vezes à nossa defesa. É sinal da atitude e da união da nossa equipa”, disse o internacional português por 24 ocasiões.

Com Portugal apurado para os oitavos de final e com o primeiro lugar garantido no Grupo F, Diogo Costa assumiu que ainda não sabe se vai jogar contra a Geórgia, no encontro que fecha o agrupamento, ou se o selecionador Roberto Martínez irá dar minutos a José Sá ou Rui Patrício, os outros dois guarda-redes da seleção.

“Estou preparado para tudo o que tiver que acontecer. Claro que cada um tem a sua ambição em jogar e dar o seu contributo. Existe uma grande amizade, uma amizade sólida entre os guarda-redes e isso vai nos dar força para o resto dos jogos. O selecionador ainda não disse quem vai jogar, mas o que mais importa é que a seleção ganhe”, lembrou.

Costa recordou ainda os seus primeiros passos no futebol e confessou que, inicialmente, nem lhe passava pela cabeça ser guarda-redes.

“Na altura, não pensava muito na baliza, gostava mais de rematar à baliza. Mas, depois, tive de experimentar uma posição, fui para a baliza, correu muito bem e ficou”, concluiu.

O Geórgia-Portugal está agendado para quarta-feira, às 21:00 (20:00 horas de Lisboa), na Veltins Arena, em Gelsenkirchen, e terá arbitragem do suíço Sandro Scharer.

Autoria de:

Agência Lusa

Deixe o seu Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os requisitos obrigatórios estão identificados com (*).


Desporto