diario as beiras
opiniao

Opinião: Nas amarras polémicas do condicionamento do trânsito

28 de junho às 09h21
0 comentário(s)

A Câmara Municipal de Coimbra informou que, no âmbito da realização do Campeonato da Europa de Triatlo MultiSport Coimbra 2024, nos dias X, Y e Z, etc. de Junho, ocorreriam cortes e condicionamentos de trânsito e estacionamento e alterações às linhas de autocarros dos SMTUC.
Até aqui tudo bem, e pode ser até muito importante a realização de tal Campeonato em Coimbra e, mais … ser economicamente muito rentável para a hotelaria e restauração … ou até muito honroso para a Cidade … apesar de Esta, todos os dias e há já não sei mais quantos meses, se encontrar mergulhada no caos provocado pela construção do Metro. A Autarquia pode ter garantido todos os avisos e pode até também ter delegado em todas as forças necessárias, nomeadamente a PSP, os transportes e a garantia da circulação e utilização nas vias em que apenas havia um sentido único. A verdade é que nem os transportes privados nem os transportes públicos circularam a horas e condições de segurança. E, se duplicou o caos habitual para os transportes privados, os transportes públicos não poderiam ter feito “milagres” e não circularam de modo a permitirem “ligações”, pelos grandes atrasos que ocorreram, não servindo os utentes ou obrigando-os a grandes caminhadas para chegar aos seus empregos.
A Ponte de Santa Clara chegou a estar encerrada ao trânsito, por cancelas e presença policial, sem que atempadamente essa informação tivesse chegado a muita gente que se foi atravancando nos acessos ao Largo da Portagem, o mesmo acontecendo em outro locais, como nas ruas da Alta e da Baixa de Coimbra!…
Ah!… dirão: Mas os utentes, seja qual for a sua literacia, foram alertados para que deveriam consultar aqui e ali os cortes e condicionamentos!… Como se todos os conimbricenses e os visitantes não tivessem mais que fazer!…
Não pretendo estabelecer aqui qualquer provocação, mas continuo a pensar que se poderia ter feito muito melhor, que deveria ter havido uma gestão mais cautelosa… como Coimbra já fez para outros grandes eventos (refiro-me, por exemplo, ao caso do último grande evento musical realizado no Estádio Municipal, gestão em que não houve uma falha a apontar). Não se devem minimizar, como o foram nestes dias, os condicionamentos reservados aos transportes públicos, a residentes, às empresas prestadoras de serviços, às pessoas que para prestarem serviço nos seus locais de trabalho utilizam por vezes mais do que um autocarro. E isto já não me referindo às pessoas com dificuldade de mobilidade e veículos transportadores de pessoas com deficiência.
Podem garantir que tudo foi planeado a tempo, que tudo foi acautelado, mas a verdade é que se o foi não funcionou ou se funcionou foi muito mal.
A propósito, e apenas como exemplo do que acontece em Coimbra: Ontem à noite ( 23 de Junho) alguém quis entrar no Parque Verde pela entrada habitual. A porta estava barrada e um polícia que aí se encontrava advertiu que a entrada era do outro lado, habitualmente o da saída. A pessoa respondeu lamentando nada estar assim sinalizado, ao que o polícia, sorrindo, acrescentou que tinha razão porque devia estar!… O próprio polícia! Notar que a entrada e a saída se fazia pelo mesmo local … desrespeitando um sinal de “sentido proibido” que ali se encontra!…
O estado caótico a que chegaram as ruas principais de Coimbra, o estado caótico a que se chegou para poder escolher um trajecto minimamente transitável (entre os trajectos que vão sendo encerrados ou abertos todos os dias), atingiu o máximo. Já chega de atirar todas as culpas para as obras do Metro Mondego! Até os taxistas, que conhecem ao pormenor as ruas de Coimbra, se queixam por terem de escolher, consoante a hora, os percursos mais estranhos que são obrigados a explicar aos clientes!…
Por isso, pelo menos perante estes eventos, não chega dizer que se anunciaram as limitações que ocorreriam nos dias X, Y, Z, etc.. É necessário prever as contingências daí resultantes, minimizar os transtornos, controlar os acontecimentos. Não estou contra a realização de eventos que beneficiem ou honrem Coimbra. Bem pelo contrário, aplaudo a sua realização. Mas, se já fomos capazes de realizar grandes eventos com uma programação que todos louvaram, porque não proceder do mesmo modo com todos os outros?!…
E, sobretudo, disciplinem também as obras do Metro Mondego!… Já era tempo de começarem a acabar algumas obras!…

Autoria de:

Maria Helena Teixeira

Deixe o seu Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os requisitos obrigatórios estão identificados com (*).


opiniao