Diretor dos Serviços Prisionais reconhece sobrelotação das prisões

Posted by

O diretor-geral de Reinserção e Serviços Prisionais (DGRSP), Celso Manata, reconheceu hoje em Coimbra que o efetivo da guarda prisional precisa de reforço para o número de reclusos que tem.

O responsável salientou também que se mantém o problema da sobrelotação dos estabelecimentos prisionais, que acolhem cerca de 14 mil reclusos.

“Continuamos com esse grave problema e continuo a dizer que temos presos a mais e que temos de reduzir”, disse Celso Manata aos jornalistas, após a inauguração do espaço de visitas íntimas da cadeia de Coimbra.

A sobrelotação “continua a existir e nós estamos a tentar passar a mensagem de que devemos ter uma população prisional entre 11.500 a 12.000 reclusos”.

Nessa área, acrescentou, já foi aprovado em Conselho de Ministros uma proposta de lei que o Governo apresentou à Assembleia da República “no sentido de acabar com a prisão por dias livres, regime de semidetenção, e de incrementar o uso da pulseira eletrónica”.

“Vamos trabalhar juntamente com os tribunais no sentido de informar os magistrados do que têm ao seu dispor para poderem não aplicar a pena de prisão preventiva”, disse.

Segundo Celso Manata estão a fazer-se “coisas no sentido de melhorar os espaços prisionais”, entre elas instalar sistemas de videovigilância que, “não substitui o guarda, mas dá um grande apoio”.

O reforço de guardas deverá ocorrer a partir de setembro, quando 400 novos elementos terminarem a parte teórica e entrarem na formação em contexto de trabalho nos estabelecimentos prisionais.

“Outro passo que vamos dar este ano é a mudança do horário de trabalho, que já foi discutido com os sindicatos, e que com o reforço dos guardas que estão em formação vai ser possível lançar”, adiantou o diretor-geral.

Toda a informação na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS de dia 12 de julho de 2017

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*