A responsabilidade

Se algumas dúvidas tinha quanto ao(s) tema(s) a abordar, elas foram totalmente dissipadas depois de ter conhecimento das decisões do Governo para a redução do deficit em 2010 e particularmente em 2011, com expressão no próximo Orçamento de Estado.

Disse o Primeiro-Ministro que as medidas anunciadas de redução séria nas despesas, em particular através dos salários da função pública e do aumento de impostos, IVA para 23% e diminuição das deduções fiscais, só foram tomadas agora porque este foi o momento do reconhecimento da difícil situação das contas públicas e não em Maio passado.

Ora aqui está um reconhecimento que é dificilmente aceitável.

Se recuarmos um ano – últimas eleições legislativas – facilmente nos lembramos dos debates televisivos de campanha e daquele ar optimista que ajudava a vencer eleições, mas escondia a real situação do País.

Já na altura era grave e pouco tempo depois surgiu a crise na verdadeira dimensão.

Depois o PEC 1, logo de seguida o PEC 2 e agora um PEC 3 com novo orçamento para mais um ano de aperto e contenção.

Tem havido uma tática de autêntico zig-zag que em nada tem credibilizado a governação.

Ainda recordo bem o lema de campanha que há um ano o PSD utilizava: “Falar Verdade”.

Era e é cada vez mais necessário falar verdade. E para isso, nada melhor que o Governo ter apresentado, já que não o fez até aqui, a real situação do País e os impactos dos PEC’s. E aí sim. Reconhecer que falharam, que as medidas foram insuficientes e que são necessárias mais ainda e bem duras.

Mas não!

O Governo prefere levar uns “puxões de orelhas” em Bruxelas, depois “chama” a Lisboa um senhor da OCDE e… pronto, toca a tomar mais medidas.

E o amanhã… a Deus pertence. Logo se verá.

Ora esta não é forma de se credibilizar perante os Portugueses. Este é o preço que estamos a pagar por tamanha incompetência. Mas como se tudo isto não bastasse, ainda agitou a bandeira da crise política com uma demissão se não for feita a sua vontade.

Este é, sem dúvida, um momento de apelo à responsabilidade política, mas também o é para lembrarmos os responsáveis pela situação.

Eu assim farei.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*