Guardas contestam novo horário de trabalho na prisão de Coimbra

Posted by

FOTO DR

Os guardas prisionais de Coimbra contestaram hoje no arranque de uma greve que se prolonga até dia 18 a aplicação do novo horário de trabalho e exigiram a demissão do diretor dos Serviços Prisionais, Celso Manata.

O novo horário de trabalho para os guardas prisionais, que é aplicado desde janeiro no Estabelecimento Prisional de Coimbra, está a pôr “em causa a segurança do pessoal e a segurança do estabelecimento”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato Nacional do Corpo da Guarda Prisional (SNCGP), Jorge Alves, durante a vigília que decorre hoje de manhã, junto à prisão, que contou com a presença de cerca de três dezenas de guardas.

“Tem sido uma constante chegar ao final do dia e não haver guardas para render os que estão no posto de trabalho, para estes poderem tomar a sua refeição. Os guardas são obrigados a manter-se no local de trabalho durante todo o período”, alertou o dirigente sindical.

De acordo com Jorge Alves, têm de ser encerrados postos de trabalho para canalizar guardas para outros serviços, sendo que o novo horário de trabalho agrava “ainda mais” a falta de pessoal que já se sentia na cadeia de Coimbra.

“A Direção Geral dos Serviços Prisionais decidiu distribuir o corpo da guarda em períodos de trabalho, sendo que o que concentra mais guardas é das 08H00 às 16H00 e depois, das 16H00 e até à meia-noite, há uma redução de três para um guarda”, explicou.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.