Ponte do Paço mais cara devido às lontras

Posted by

A construção da Ponte do Paço vai ficar mais cara, por exigência do ICNF, e vai exigir a declaração de utilidade pública, para responder aos requisitos impostos pela CCDRC. A informação foi ontem veiculada pelo presidente da Câmara de Coimbra.
Cabe dizer que só no final da semana passada o ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e Florestas e a CCDRC – Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro emitiram os competentes pareceres, vinculativos, sobre o projeto de construção da ponte sobre o Paul de Arzila, na confluência dos municípios de Coimbra e Montemor-o-Velho.
Para o ICNF, o projeto da ponte tem de garantir a “boa integração paisagística”, de modo a garantir a passagem dos mamíferos e a preservação das florestas aluviais de álamos e outras espécies. No que respeita à primeira exigência, isto significa que a obra de arte a construir vai ter de acautelar a circulação de lontras, entre outros animais, que existem no Paul de Arzila. Segundo Manuel Machado, o passadiço a acrescentar implica um acréscimo de “50 a 100 mil euros”.

 

Notícia completa na edição impressa do dia 20 de fevereiro de 2018

2 Comments

  1. Lontras são os que emperram constantemente este projeto.

  2. Zé da Gândara says:

    Peaners como diria aquele indivíduo com o cabelo platinado que parece que é trenador de futebiol 🙂

    Ande-se lá para a frente com a ponte porque o contribuinte paga 🙂 Sempre pagou, porque é que não haveria de pagar agora… Nos anos 90 as alterações que justificavam as então denominadas "derrapagens" era mais descaradas… Nem importava justificar… Era mesmo porque o Zé empreiteiro assim queria e pronto… assunto tratado porque o Zé Empreiteiro mandava… Agora, a coisa é mais sofisticada… Até já há preocupações ambientalistas 🙂

    Deve ser u,ma diferença naquilo que vai ser feito face ao projecto inicial que uma pessoa se não estiver bem atenta, nem a vê 🙂 mas o que interessa ver é a massa a entrar na conta do Zé Empreiteiro 🙂

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.