Opinião – Generalidades: Incêndios

Posted by
Norberto Canha

Norberto Canha

Li, no Diário As Beiras, um artigo do Sr. Presidente da Federação dos Bombeiros do Distrito de Coimbra, António Simões, no Dia Mundial da Floresta. Tenho a dizer que concordo na generalidade com ele, mas com alguns acrescentos, que justificarei, pelas seguintes razões:

– A primeira recordação que tenho da minha aldeia e infância foi um incêndio no palheiro do meio, de três palheiros, repletos de palha e feno – da minha avó. Acordo ao toque a rebate dos sinos da igreja; esta ficava próxima dos palheiros. Vejo-me na varanda a olhar para o incêndio, dois homens com dois machados na mão, em paredes opostas, a tentar cortar as traves; um cordão humano constituído por homens, mulheres, alguns mais velhos que eu, com cântaros e remeias de água, num vai e vem contínuo, da fonte até ao incêndio. Os homens nas paredes a recebê-los e a despejá-los, o incêndio a abrandar e depois a apagar-se.

– A segunda recordação passou-se também na minha aldeia e ocorreu na Serra de Bornes. Eclodiu um incêndio na base de uma propriedade. O dono estava lá, assiste à subida do fogo e ouvi dizer: se estivesse lá mais uma pessoa, tinha-o apagado.

Vêm os bombeiros, tempos depois, e não poderiam vir mais rapidamente, da vila até ao local do incêndio. Ouvi apenas os intercomunicadores dizer: daqui fala Alfa 1, daqui Alfa 2; como vai o incêndio? E nem bombeiros e população fizeram nada para o apagar. Não havia vento e foi a estrada, asfaltada, que ia de Sambade e atravessava transversalmente a serra, que o apagou. Quando lá passo olho para um sobreiro que já ardeu várias vezes, mas resiste.

– A terceira recordação ocorreu em Sendim da Serra, e na serra, em que arderam propriedades minhas, floresta de pinheiros e sobreiros. Tudo leva a crer que foi fogo posto, pelos sinais deixados.

Deflagra o incêndio, telefona-se para os bombeiros, estes prontamente acorrem. Surge um helicóptero no ar, com balde suspenso, anda de um lado para o outro à procura de água. Vai buscá-la à barragem da Estevainha, a quase 10 quilómetros de distância. Eu tinha uma charca próxima, mas não se informaram, nem a viram. Despejam meia dúzia de baldes, acaba-se o combustível, e é noite. O incêndio prosseguiu orientado pelo vento e bombeiros, até que se apagou. Os pinheiros apodreceram na floresta – quem se propôs comprá-los, era tão baixo o preço, que lá ficaram. Que fosse pelo menos para enriquecer a terra; os sobreiros até parece que rejuvenesceram, mas a cortiça perdeu muito da sua validade.

– Assisti a outro incêndio nessa serra, em pleno calor abrasador do Verão. Os bombeiros muito fizeram, mas as folhas dos sobreiros a arder atravessaram a estrada asfaltada e foram incendiar as folhas dos sobreiros do lado oposto e as ervas onde poisaram. Estava vento!

– Ia para a minha terra e ao descer em estradas aos “S”, após a recta de Marialva; vejo um carro a incendiar a borda da mata direita da estrada. Já tinha proporções o incêndio; acelerei o carro a ver se via a matrícula, e eles, ou guiavam melhor que eu ou iam assustados… nada. Não foram apanhados!

Se eu tivesse poder deciditório, que faria?

1.º – A justiça tem que ser mais acelerada e implacável para com os incendiários e mandantes, se os houver. Se a lei o não permite, senhores políticos, legislem para alterar a lei.

2.º – Os sábios, em que se incluem os políticos, falam na Lei das Sesmarias; na obrigatoriedade de limpar as florestas, mas nem o Estado limpa as suas. Esquecem que sem agricultura não há limpeza, por não haver meios, e sem revisão das normas comunitárias, não pode haver agricultura. Eu criei a melhor agricultura do meu concelho e tudo feito à custa do meu labor. Ainda tenho um rebanho de cerca de 200 ovelhas. Tudo é meu e não dá para pagar ao pastor!

3.º – Repensar a floresta e o tipo de árvores a utilizar, dar a prioridade às que, mesmo que ardam, voltam à vida.

4.º – Creio que não serão necessários mais bombeiros e mais meios. Preciso é que, como no tempo em que era criança, acorra toda a população, e como esqueceram a forma de actuar, que sejam os bombeiros a ensiná-los como actuar em parceria.

5.º – Haja rebanhos de animais de pequeno e médio porte, como cabras e ovelhas, para ajudar a limpar as matas; mas que dêem algum lucro a que os tem, e não apenas o estrume para enriquecer a terra.

Síntese:

– Hoje teriam ardido todos os palheiros e até a igreja, porque os senhores engenheiros e município puseram água canalizada, mas destruíram a fonte, e não há onde ir buscar água.

– No incêndio da ACM em Coimbra foi dado o alarme atempadamente, por um transeunte; os bombeiros chegaram a tempo, só que as bocas-de-incêndio não deitavam água.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.