Associação do Fundão desafia população a fazer filmes sobre histórias paranormais da Gardunha

Posted by

 

A Histérico, associação de artes e juventude do Fundão, está a desafiar a população a fazer filmes sobre histórias paranormais ligadas à Serra da Gardunha, para serem exibidos num festival, em setembro.

O Gardunha Fest está marcado para dias 08 e 09 de setembro no auditório da Moagem – Cidade do Engenho e das Artes, e será dedicado a curtas-metragens documentais, de animação ou ficção, com duração entre até dez minutos.

Miguel Geraldes, da Histérico, vê nas montanhas que rodeiam o Fundão um território rico em contos. “São muitos os mistérios existentes em volta da mítica Serra da Gardunha e é com este mote que surge a ideia de se fazer o primeiro festival de cinema de fenómenos paranormais, na cidade”, disse.

As histórias “envolvem imagens santas, OVNIS, fantasmas e assombrações”, nada que não se encontre noutros locais, mas que na Gardunha sempre tiveram maior impacto, explicou.

Na década de 1980, Américo Duarte, residente em Castelo Novo, relatou para vários órgãos de comunicação social alegados “contactos com seres extraterrestres”, mediatizando o tema.

Por outro lado, a tradição oral tem mantido vivas lendas que passam de geração em geração, como o conto da má-hora, assombração que amaldiçoa aqueles com quem se cruza em caminhos escuros, entre a meia-noite e a uma da manhã. Este tema, no último ano, serviu de base a uma curta metragem de animação de Bruno Fonseca, Nuno Roque e Alexandre Leonardo, numa coprodução da Câmara do Fundão, em parceria com a Escola João Franco e o Externato Capitão Santiago de Carvalho.

Este contexto fez com que a Histérico lançasse “um desafio para um tipo de cinema ou documentário diferente, invulgar e apelativo”, acrescentou Miguel Geraldes.

Os filmes, amadores ou profissionais, podem ser entregues na associação Histérico até ao dia 28 de agosto.

O regulamento está disponível na Internet em histericoaartes.blogspot.pt e a iniciativa conta com o apoio da Câmara Municipal do Fundão.

 

(Texto: Agência Lusa)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.