Pediram-nos 6 mil euros por uma tese de doutoramento

A massificação dos doutoramentos, que triplicaram em dez anos, abriu a porta ao negócio. Hoje, quem quiser acabar o curso sem queimar as pestanas tem a vida facilitada. O negócio de venda de teses prolifera no país e há quem faça disso uma forma de vida. Em troca, prometem profissionalismo e – o mais importante – sigilo.

O DIÁRIO AS BEIRAS contactou algumas empresas com o objetivo de “encomendar” uma tese de doutoramento com 900 páginas na área do Direito do Ambiente. O método foi simples: bastou ir a um motor de busca na Internet, colocar as palavras “compro teses” para encontrar dezenas de anunciantes. Alguns são pessoas individuais e outros, empresas constituídas para o efeito.

Durante uma semana choveram e-mails e telefonemas.

Segunda-feira, dia 3 – O primeiro e-mail é enviado para um professor do Brasil. A resposta chega em meia hora. Por seis mil euros (pagos em duas tranches) nem vale a pena pensar mais no assunto. O serviço inclui a tese de doutoramento, com “referencial teórico e estudo baseado em levantamento bibliográfico e que atenda aos objetivos do trabalho”. Além disso, “a elaboração será feita de acordo com o rígido critério de originalidade e qualidade”, sendo entregue em 60 dias.

No mesmo dia, chega uma nova mensagem à caixa de correio: desta vez, uma empresa do Porto informa que o orçamento do trabalho elaborado de raiz custará 1.200 euros, pagos em quatro prestações mensais de 300 euros.

Terça-feira, dia 4 – São 09H30. O telemóvel regista quatro chamadas não atendidas e uma mensagem escrita: “Bom dia: estamos a tentar entrar em contacto consigo por causa do seu trabalho. A chamada é retribuída poucos minutos depois. A “porta-voz” da empresa, que opera em Lisboa, mas trabalha para todo o país, quer saber mais dados sobre a tese. Não avança nenhum valor: terá, primeiro, que encaminhar todas as informações para o departamento financeiro da empresa.

Nesse mesmo dia, a caixa de correio tem uma nova mensagem: desta vez, a resposta chega de um “grupo de pessoas, licenciadas em humanidades, engenharia e turismo, que realizam trabalhos académicos da área de licenciatura”. A “empresa” salienta que tem “uma longa experiência na realização de trabalhos, sem qualquer queixa por parte dos clientes”.

Quarta-feira, dia 6 – De Lisboa chega, a meio da semana, um novo orçamento: a elaboração total da tese de doutoramento ficará por dois mil euros. “O pagamento poderá ser feito de forma faseada, conforme as possibilidades dos alunos – há muitos alunos que combinam connosco um pagamento mensal que se estende mesmo depois de ter sido realizada e entregue a tese através de cheque pré-datados”, pode ler-se no e-mail.

A empresa da capital informada ainda que a elaboração “cada página totalmente elaborada” ficará por 17,5 euros. Os professores encarregues de ajudar serão três, formados nas áreas de Português, Educação, Literatura, Direito e Engenharia do Ambiente.

A meio da tarde, uma nova chamada telefónica. Trata-se, desta vez, de uma senhora que opera “no ramo” há cinco anos. É professora do secundário numa escola de Oliveira do Bairro, mas dedica-se à elaboração de teses de mestrado e doutoramento nas mais diversas áreas: desde ambiente, desporto ou saúde. E explica porquê: “o meu filho é formado na área a desporto e a minha nora, na área de enfermagem…”

Preços? 1.800 euros que, como é óbvio, engloba as correções que forem sendo, entretanto, propostas pelo orientador da tese. A senhora, que prima pela simpatia, diz que costuma trabalhar muito com as universidades de Coimbra, Aveiro e Covilhão, além de instiuições de ensino superior estrangeiras.

Sexta-feira, dia 7 – Na sexta-feira à noite, uma voz masculina apresenta-se como sendo o responsável do departamento financeiro da empresa que ligou na terça-feira.

Começa por advertir que, apesar de a sede ser em Lisboa, 99,9 por cento dos clientes são anónimos. Não há contato direto, sendo que tudo é tratado por e-mail e correio e telemóvel. No dia seguinte, chega o orçamento: o trabalho ficará pronto a 29 maio de 2010. Custará três mil euros: 50 por cento pagos com a adjudicação do trabalho e os restantes 50 por cento com a entrega do trabalho pronto.

Quer comprar um curso?

Foi, também, na internet que o DIÁRIO AS BEIRAS encontrou o testemunho de um “ex-funcionário” de uma destas empresas: “Ao longo daquele mês vi serem elaboradas as mais variadas monografias e teses de mestrado ou doutoramento! Custavam entre dois mil a cinco mil euros e havia gente a ir buscar as suas teses no próprio dia da discussão do trabalho”.

Na internet, aliás, é possível encontrar interessados em todo o tipo de negócios.Há, inclusivamente, quem esteja disposto a comprar licenciaturas.

O DIÁRIO AS BEIRAS entrou em contacto com um desses interessados e quis saber se conseguiu concretizar o negócio. A resposta foi esta: “até ao momento ainda não consegui, e acho que deve ser difícil de se conseguir. Há por aí muitos burlões que dizem que tratam e arranjam, e chega-se ao fim querem é ficar com o dinheiro, e curso nada. Mas se eventualmente conseguir agradeço que me diga…”.

21 Comments

  1. Pingback: Teses fresquinhas, quem quer comprar? « blog about science

  2. Pingback: . : Vendem-se teses de doutoramento.Sigilo absoluto

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.