Opinião: Votos 2017. Colocar Coimbra no lugar a que tem direito!

Posted by

Hélder Rodrigues

1. Uma viagem pelo País à procura de Coimbra

Durante o ano que agora findou, viajei pelo País. Queria falar aos portugueses e debater com eles a importância de Coimbra no panorama nacional. Se sabiam porque é que somos Património da Unesco. Se sabiam que a Universidade de Coimbra tem várias áreas de excelência, nomeadamente na Saúde, no Direito, nas Engenharias, nas Tecnologias. Se conheciam as características invulgares desta cidade de rosto humano, onde as amizades e os afectos permanecem toda a vida.
Mas também dos pontos fracos, dos bloqueios e dificuldades para ocupar “o lugar a que tem direito no panorama nacional e internacional”!

Percorri o litoral, de Braga a Lisboa, o interior, de Viseu a Albufeira. Estive em sete concelhos do Distrito de Coimbra, de Cantanhede à Pampilhosa da Serra. Estive em auditórios modernos, em juntas freguesia genuínas, em bibliotecas municipais bem equipadas, em casas museu cuidadas, em restaurantes animados, com gente ilustre, acompanhado pelo fado de Coimbra, ou por música regional vibrante.

Encontrei muitos amigos, antigos estudantes de Coimbra, outros que mal sabem onde fica Coimbra. Falei com professores, de Universidades que a Universidade de Coimbra ajudou a criar. Com pessoas das mais variadas sensibilidades, classes e profissões, todos com muito para desabafar. Hoje, tenho uma perspectiva mais completa daquilo que o país e os portugueses pensam sobre Coimbra, e quero partilhá-la convosco, caros leitores das Beiras, apesar desta viagem por Portugal nem ainda ir a meio!

2. Coimbra está na alma e no coração dos portugueses

A constatação principal é a de que Coimbra tem uma imagem e uma marca fortíssimas de Norte a Sul de Portugal. Não por motivos gastronómicos, de turismo de praia, de montanha, ou outros motivos que as máquinas da comunicação especializada, bem oleadas, fabricam todos os dias!

Os motivos de Coimbra são mais fortes e íntimos porque são de ordem cultural, humana e afectiva, e isso coloca Coimbra num plano do imaginário muito especial, superior e eterno! Numa frase, “Coimbra está na alma de Portugal e no coração dos portugueses”!

Será que aqueles que têm o destino de Coimbra nas mãos, a nível local ou central, estão conscientes desta enorme mais valia? Como a estão aproveitar, para corresponder àquilo que o País dela quer, espera e deseja?

3. Lutar para colocar Coimbra no lugar a que tem direito

E no entanto muitas pessoas que encontrei reconhecem, com tristeza, que a Coimbra de todos nós tem vindo a perder algum do fulgor, do protagonismo, da capacidade de intervenção que fizeram dela a pedra chave política, cultural e social da vida portuguesa ao longo dos séculos.

Ao pedir-lhes para formulassem Votos 2017 para Coimbra, a resposta foi imediata: “Lutar para colocar Coimbra no lugar a que tem direito”!

E apontaram as quatro áreas onde essa luta tem que começar de imediato: A Universidade (incluindo os estabelecimentos de Ensino Superior); Os poderes locais (a nível político, económico, cultural e social); A população de Coimbra em geral (responsável pela dinâmica da cidade); A diáspora de Coimbra (espalhada pela Região, pelo País, pelo Mundo).

É imperioso que estas quatro áreas estejam “à altura das circunstâncias”! Se existirem lideranças fortes que consigam um trabalho concertado entre elas, dentro de 5-10 anos, teremos uma Coimbra melhor e mais feliz!

18 Comments

  1. Poortugues says:

    Coimbra não é o grande centro que os pseudo intelectuais cá do burgo querem pensar que é. Coimbra é uma cidade banal, igual a tantas outras pelo país fora, que tem na Universidade e nos seus estudantes o único factor diferencial das restantes.

    • Coimbra é igual a tantas outras? Depende. Se vive em Coimbra, troque-a por Viseu ou pela Guarda, por exemplo, e talvez veja a diferença que lhe faz não ter uma Universidade de boa dimensão, várias outras escolas superiores, um excelente Conservatório , um grande Hospital público e outros centros clínicos de excelência, uma vida urbana diversificada, livrarias, grandes bibliotecas, excelentes espaços verdes, uma muito razoável rede de transportes públicos, um comércio muito diversificado, com várias grandes superfícies e comércio tradicional, um Património Mundial, com excelentes museus, várias salas de espectáculo, com teatro, música, etc, etc, etc.
      Se não precisa de nada disto, serve-lhe perfeitamente Fornos de Algodres (sem desprimor nenhum por esta vila saudável e pacata).

      • Poortugues says:

        Que espaços verdes é que Coimbra tem que Leiria, Viseu ou Aveiro (para citar as mais próximas) não têm?

        Transportes públicos? Meia hora à espera para depois virem dois seguidos. E percursos muito radiais, sem circulares que garantam fácil interligação.

        Que superficies comerciais tem de diferente para as cidades já referidas acima?

        E podia ir quase ponto por ponto perguntar o que tem de diferente Coimbra para as restantes cidades.

        E atenção, não digo que tudo seja mau. Mas não é diferente das restantes, é banal na medida em que é igual às outras.

        • Quer mesmo fazer uma análise comparativa, ponto por ponto, dos items que indiquei? Mas não vale ficar a meio.
          Espaços verdes: número de parques e jardins e dimensão, comparados com Viseu, Aveiro e Guarda (por ex.)
          Transportes públicos: número e frequência. Se se queixa, como é em Aveiro, Leiria, Viseu ou Guarda?
          Superfícies comerciais: número e dimensão. Sabia que se encontra muita gente de outras cidades das beiras sobretudo no Fórum?
          Vamos também aos restantes items: sabia que muita gente da região centro, incluindo cidades, vem tratar da saúde a Coimbra (no público e privado) e que muita gente vem dos mesmos sítios para se educar, seja em escolas públicas, seja em privadas?
          Quantos centros culturais, museus, etc, tem Aveiro ou Viseu, comparado com Coimbra, e qual o valor patrimonial comparado? E número de espetáculos anuais, teatro, música, etc? Diga-me números, valor, nomes, etc, e vamos comparar.
          Quantas livrarias e bibliotetas têm Aveiro, Viseu ou a Guarda e qual a sua dimensão?

          • Poortugues says:

            Não vou continuar a discussão por dois motivos. Primeiro, não percebeu que eu não disse que as outras eram melhores. Não são é piores. E continua a atirar generalidades para o ar. Em específico faltou no Forum. Em Viseu ou Aveiro também existem e com conceito melhor que o de Coimbra. Tal como em Coimbra tem outros, também em Viseu ou Aveiro os tem. Já que estamos nos centros comerciais, quantos de Coimbra é que têm pista de gelo?

            Perceba só que Coimbra não é, nem deve ser por decreto, uma cidade assim tão importante. Se reler o texto vai ver que é dito que Coimbra está no coração dos que cá estudaram mas não diz nada aos restantes. A universidade é que dita a única grande diferença.

            Mas continua a ser uma cidade agradável para se viver.

          • Não atirei generalidades para o ar. Pelo contrário, falei de cada um dos items, ponto por ponto e desafiei-o a comparar. Cada um deles. Continuo à espera, mas desconfio que vai continuar com as generalidades. Quer responder ao meu comentário anterior, ou não está interessado?

        • Henrique Costa says:

          Das duas uma ou não conheces Coimbra ou Leiria, Viseu e Aveiro. Alguma vez visitaste o Jardim Botânico? Queres comparar os SMTUC com a anedota de transportes públicos de Aveiro? Há transportes públicos em Viseu e Leiria? Talvez com um bocado de boa vontade… e não é que as pessoas de lá não mereçam mas… O Fórum de Coimbra é a maior superfície comercial da zona centro, sem dúvida. Em termos de artes acho que não vale a pena dar porrada no ceguinho. Enfim dizer que Coimbra, que já foi capital de Portugal é uma cidade banal diz tudo sobre a tua capacidade de observação! Mais um invejoso das cidades periféricas de Coimbra…

          • Zé da Gândara says:

            Este HC na defesa da sua dama (a majestática e decrépita Coimbra Cidade dos Doutores e do Conhecimento), conhecido por criticar abundantemente tudo o que cheira a Estado, em desespero de causa até já canta odes aos públicos e de gestão pública SMTUC… E depois ainda vem falar do Fórum de Coimbra (como se o Fórum de Coimbra fosse um elemento de civilização que devesse ser ministrado compulsoriamente a cada Beirão à imagem do que era anunciado através dos microfones da Rádio Europa Livre (que até tinha retransmissores em Portugal – a RARET) aos cidadãos da Europa de Leste antes da queda do Muro de Berlim sobre os hamburguers, coca-cola e jeans, então proibidos pelos regimes alinhados com Moscovo)… Citar o exemplo de um local onde se gasta dinheiro a crédito em bugigangas made in PRC não é propriamente um exemplo que mereça destaque pelo que mais valorizaria que fossem citados exemplos de locais onde se produz riqueza que permite a sua redistribuição na comunidade… Coisa que em Coimbra não existe… Não fosse CHUC (o maior empregador do distrito) e o negócio do arrendamento (quantas vezes não declarado) dos quartos a pirralhos que vêm de fora para Coimbra estudar (em alguns casos vêm para cursos que ainda estão parados no Neolítico), Coimbra era um deserto… Mas isto sou eu a dizer, logo eu que na perspectiva do Sr. HC sou esquerdalha, comuna, bloquista e todas as coisas afins degeneradas destas doenças da esquerda…
            Se queres medir pilas (neste vaso, comparar cidades), ao menos arranja uma digna de ser considerada como tal…

          • Henrique Costa says:

            Bem, se não és esquerdalha não percebo porque atacas tanto o consumismo que aliás é um dos pilares de crescimento esperado pela geringonça e porque conheces tão bem a cartilha da propaganda comunista do tempo da guerra fria! Sobre os SMTUC são muito mal geridos pela CMC, já deveriam ter sido concessionados há muito tempo mas têm dimensão! E têm-no pela visão de algumas pessoas de Coimbra, sim de vez em quando aparecem umas e porque é sustentado pelas pessoas de Coimbra. Lá na tua terra têm de andar de burro e porque é subsidiado pela PAC…

          • Zé da Gândara says:

            Quer dizer que trabalhas na minha terra, não é isso que queres dizer? Gostas da palha da Gândara, é isso?

            Olha, na minha terra é certo que existem burros mas se bem reparares, muitos até migraram de Coimbra para cá (conheço um caso de um caloteiro de Coimbra que veio para cá a fugir da fome amarela, ainda armado em espertalhão e superior – tique de todos os copinhos de leite de Coimbra – para, fazendo jus à origem, fazer o que de melhor sabe: calotes)… É esta a vossa especialidade em Coimbra actualmente? A Cidade da Ciência, do Conhecimento e dos Doutores já não dá para todos os que daí são, ao ponto de estes para comer um reles prato de lentilhas ao fim do mês terem de vir para a Gândara comer o que muitos Gandarezes cospem para fora do prato? É esta a pujança económica de Coimbra que apenas tu consegues ver e que tanto defendes?

            Fica lá com o Fórum de Coimbra para tua diversão porque sinceramente, é coisa que não me faz falta nem para limpar o rabo quando vou à casa de banho…

          • Henrique Costa says:

            Zé, não deverias ter um sentido de inferioridade tão grande, o facto de não teres crescido numa grande cidade não te faz mais pequeno. Já o que pensas… Por exemplo, a gente por aqui não come palha, por isso deixo a da Gândara para ti que pareces já conhecer bem… Há miséria sim, pagamos muitos impostos para subsidiar as Gândaras… olhamos mais por vocês do que por nós e como paga espetam-nos facas nas costas… mas somos bons cristãos!

          • Zé da Gândara says:

            Sentido de inferioridade, eu? Mais pequeno? WTF? Tens tomado os comprimidos?

            Em minha casa ninguém come palha e mais uma vez tu, pelo manancial de saber que evidencias em relação ao assunto, estarás mais familiarizado com assuntos de palha do que eu, pelo que não sei se em verdade poderás dizer o mesmo…

            E só um aparte… Tu vives na pequenez de Coimbra e olhas para Coimbra como se Coimbra fosse o "Farol de Alexandria"… Coimbra é uma pequena cidade à escala Europeia e para tua informação já vivi numa cidade com mais habitantes do que o Puto Tuga (rectângulo + ilhas)… Ah… E certamente que já fiz mais milhas por este mundo fora do que tu, daí que me pareça que a haver pequenez, não será do meu lado…

          • Zé da Gândara says:

            Norberto Pires faz por esta altura aqui no Beiras Times alguns considerandos a respeito de Coimbra…
            http://www.asbeiras.pt/2017/01/opiniao-coimbra-ta

            Há uns comentários interessantes a essas considerações do Norberto Pires… Comentários esses que não são meus…

            Não sendo o Norberto Pires alguém que vê a excelência em Coimbra que tu vês e da qual te vanglorias, não será o Norberto Pires alguém que deve ser "combatido" por ti numa Cruzada contra os Infiéis a Coimbra?

            Eu até já tinha citado aqui num comentário a uma outra pseudo-notícia o referido estudo da contribuição de cada município para as exportações nacionais… Dizes tu que pagas muitos impostos para subsidiar os habitantes da Gândara mas olha que este estudo, conforme refere o Norberto Pires, diz que a pujança económica em concelhos "das Gândaras" (como tu te referes à Gândara), como sejam Vagos, Cantanhede e Figueira da Foz é superior à de Coimbra… Bom… Pelo menos por lá há empresas a trabalhar, a exportar, a criar riqueza e a distribuí-la à sua maneira… E normalmente, essas empresas, apesar dos conhecidos expedientes contabilísticos e de planeamento fiscal agressivo, se não mesmo, elisão fiscal tão comuns e tão em voga no nosso mundo actual, até pagarão alguns impostos nesses concelhos e outros que incidem sobre o lucro que reverterão para o Estado Central que depois canaliza o produto desses impostos para onde bem entende… Será que és mesmo tu e os copinhos de leite teus amigos que subsidiam os Gandarêzes?
            Ah… Já me esquecia de te perguntar uma coisa… Sendo tu tão demolidor para com o distrito de Aveiro, o que opinas do facto de tantos residentes na magestática Coimbra terem de rumar para cidades como Águeda para trabalharem na indústria algo obsoleta que aí existe? É que não é um caso nem são dois… Casos desses são aos molhos e até conheço casos de meninos e meninas bem de Coimbra que foram para esses meios tão rústicos espalhar perfume e charme, que mesmo assim daí já foram cuspidos / cuspidas e que tiveram de rumar a paragens como Lourosa (ainda no distrito de Aveiro) e Maia (já no distrito do Porto)… Se há alguém que é pobre e mal agradecido, sois vós que julgais que tendes o rei na barriga e que por onde quer que passem, rapidamente acabam por ser topados e corridos porque cuspis no pratos onde comeis…

  2. Existe arrendamento a estudantes porque eles optam por vir para Coimbra, talvez porque não tenham os cursos nas suas terras ou porque, mesmo tendo, prefiram os do Neolítico. Quanto ao CHUC, é o maior empregador e proporciona cuidados de saúde de especialidades que não existem nos distritos supra mencionados, como por exemplo as do foro oncológico que têm doentes que, infelizmente, fazem centenas de km para tratamentos tanto no CHUC como no IPO.

    • Zé da Gândara says:

      Pois… Nem todas as pessoas primam propriamente pela inteligência e por via disso, sempre via havendo quem se vá tirando proveito desse facto e portanto, se vá safando com práticas da economia paralela (como a evasão fiscal) que hoje em dia são tão louvadas cá no burgo porque ser "liberal" é conseguir não pagar impostos nem que seja por via da evasão fiscal…

      Ah… E muitos desses ditos "estudantes", normalmente caiem na realidade ao sofrerem o primeiro embate com o mercado de trabalho…

      Talvez a Universidade da Beira Interior, com a excelência que lhe vem sendo reconhecida e que a tem catapultado para patamares onde algumas já não chegam em algumas áreas (não me pronuncio em particular sobre a área da Sáude) possa resolver num futuro próximo o problema de quem de facto tem de vir em peregrinação da Guarda ou de Viseu por caminhos sinuosos para obter os necessários cuidados de saúde… Será seguramente uma machadada importante na Bolonha tuga…

      • A evasão fiscal é não só falta de visão como crime.

        Os estudantes sempre caíram na realidade com o mercado de trabalho. as realidades têm mudado, mas alegra-me ver que cada vez mais estudantes começam a trabalhar ainda enquanto estudantes.
        A UBI é uma excelente instituição com provas dadas sendo a UC o principal manancial de professores que, vá-se lá saber porquê, alguns almejam uma vaga para regressar à Alma Mater.
        Faço votos para que brevemente todos os distritos tenham igual acesso aos mesmos cuidados de saúde. Se isso acontecer, que se lixe lá a machadada na Bolonha…
        http://www.asbeiras.pt/2017/01/universidade-de-cohttp://www.asbeiras.pt/2017/01/coimbra-colocou-po

        Por acaso encontrei isto hoje no "Beiras Time", como gosta de lhe chamar. Penso que tem mais a ver com o texto que se está a discutir.

        • Zé da Gândara says:

          Esquece-se sua excelência da quantidade de professores estrangeiros que leccionam na UBI… Serão eles também obra e criação da UC?

          Temos pelos vistos o top do top em matéria de saúde em Portugal (com direito até a distinções como aquela a que faz referência) mas sendo nós assim tão bons, não lhe causa estranheza o facto de serem os Chineses da FOSUN e os Brasileiros da AMIL a abocanhar o negócio privado da saúde colocado no mercado devido à venda da área de seguros do grupo CGD e à derrocada do BES/GES?

          Por outro lado, tanto quanto julgo saber (em termos gerais), cá por Portugal (e sobretudo no SNS que é onde são formados os futuros médicos) aplicam-se técnicas que já estarão estandardizadas e comprovadas, daí que perante muitas doenças raras ou situações clínicas mais complexas, muitos são os doentes Portugueses que se vêem forçados a recorrer a terapias em países como Cuba, México, Estados Unidos e afins para tentarem tratamentos inovadores que não são ministrados em qualquer sítio que seja em Portugal? Ah… Os Hospitales Angeles do México também concorreram à compra de um dos negócios privados de saúde acima referidos… Não lhe parecerá que viriam para cá com o intuito de ensinar algo?

        • Zé da Gândara says:

          O facto de segundo o senhor, muitos dos professores da UC leccionarem na UBI, levantará a dúvida se será um selo de qualidade absoluto… Sabe, eu frequentei uma Universidade que nessa altura tinha lá alguns professores enfornados na Universidade de Coimbra e não só na altura lhes não reconheci qualidades ímpares de pedagogos (o professor, acima de tudo deve ser um pedagogo e nunca um demagogo) como de resto, chegado ao mundo do trabalho, concluí que muito do que houvera sido veiculado por esses senhores já estava no século passado… O denominador comum a todos era uma arrogância atroz que além de mau exemplo para miúdos (que era o que éramos no fundo), também não abonava nada a favor dos mesmos….

          E quanto aos seus considerandos sobre evasão fiscal, tendo em conta que não alugo quartos, não percebo o porquê de atirar – a meu ver visando atingir-me – para o ar a atoarda que atirou…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*