Estudo da UC sobre neurofibromatose distinguido em Seul

Posted by
miguel castelo branco dr

Miguel Castelo-Branco. FOTO DR

Um estudo que identificou em humanos o neurotransmissor responsável pelas manifestações cognitivas da neurofibromatose, desenvolvido em Coimbra, foi distinguido no Congresso Mundial de Imagem Molecular, em Seul (Coreia do Sul), anunciou hoje a Universidade de Coimbra (UC).

A investigação sobre as manifestações cognitivas da neurofibromatose, “doença genética comum associada a dificuldades de aprendizagem”, foi desenvolvida por uma equipa multidisciplinar do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde (ICNAS), do Instituto Biomédico de Investigação de Luz e Imagem (IBILI) e da Faculdade de Medicina da UC.

“Dos cerca de mil estudos apresentados no mais importante congresso de imagem molecular” (World Molecular Imaging Congress), a investigação desenvolvida em Coimbra foi “considerada uma das três melhores, a par com as universidades de Stanford (EUA) e Tuebingen (Alemanha)”, sublinha a UC, numa nota hoje divulgada.

O trabalho, cuja primeira autora é a investigadora Inês Violante, faz parte de um estudo mais vasto, intitulado “Das moléculas ao homem: novas ferramentas de diagnóstico por imagem em distúrbios neurológicos e psiquiátricos”, coordenado pelo neurocientista Miguel Castelo-Branco.

O júri destacou, quando anunciou a distinção, a novidade e inovação da pesquisa, que combina “um complexo conjunto de técnicas e métodos existentes no ICNAS, desde o ciclotrão até à imagem PET (tomografia por emissão de positrões) e ressonância magnética, aplicados à investigação clínica numa doença neurológica humana, a neurofibromatose”, referiu Miguel Castelo-Branco.

Essa combinação “representou um enorme desafio”, salientou o neurocientista, citado pela UC.

Depois de compreendido o comportamento do “neurotransmissor responsável por esta doença, atualmente sem cura e muito associada ao atraso escolar, é agora possível desenvolver alvos terapêuticos para combater a patologia”, sustenta Miguel Castelo-Branco.

A investigação, com um orçamento global de cerca de um milhão de euros, financiada em grande parte pela Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro, foi iniciada em 2009, reunindo “vários ramos do conhecimento (medicina, bioquímica, matemática, psicologia e engenharia)”.

One Comment

  1. Muitos parabéns. Ao ver esta noticia fiquei muito contente porque sei que com este avanço os doentes portadores de neurofibramatose podem ter finalmente uma esperança para terem uma vida melhor e se possivel a cura, não?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.