Tribunal do Trabalho julga primeiro caso de trabalhador despedido da PSA-Mangualde

Posted by

D.R.

O primeiro processo judicial iniciado pelos trabalhadores da PSA Peugeot/Citroen de Mangualde após a extinção do turno noturno, em março, foi ganho por um trabalhador que não aceitou que o seu contrato fosse temporário.

Este processo, disse à agência Lusa fonte da União dos Sindicatos de Viseu, foi interposto por um trabalhador que não aceitou que o seu contrato fosse temporário, como a empresa alegava, tendo o Tribunal do Trabalho dado razão ao queixoso.

No entanto, como confirmou à Lusa fonte da administração da PSA-Mangualde, a decisão foi alvo de recurso para o Tribunal da Relação de Coimbra, justificado com “o facto de se tratar de um caso em que o contrato terminou com o encerramento de um turno de funcionamento da empresa”.

“Com o fim do turno noturno na empresa e o fim do contrato temporário naturalmente que termina o vínculo do trabalhador à empresa”, disse a mesma fonte para justificar o afastamento do trabalhador.

O fim deste turno de laboração na PSA foi explicado pela empresa com o decréscimo da procura dos veículos produzidos em Mangualde, o Citroen Berlingo e o Peugeot Partner, no mercado europeu.

Mas a par deste processo corre outro, também no Tribunal do Trabalho, envolvendo quatro funcionários da PSA que se recusaram a aceitar a decisão da empresa de os mudar de setor com a “reorganização interna” motivada pelo fim do turno noturno que, em março último, levou à saída de 350 trabalhadores da fábrica de Mangualde.

A administração justifica as alterações “com o fim do 3º turno, em março, onde foi, naturalmente, necessário proceder a uma reorganização interna em nome de uma maior eficácia”.

Mas o grosso dos trabalhadores que optou pelo recurso aos tribunais, dezenas de entre os 350 que saíram em março, ainda não o fez, porque, como explicou à Lusa fonte sindical, “está a ser estudada pelos advogados do sindicato a melhor forma de avançar com o processo”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.