Kamov dão “excelente apoio” à emergência médica diz Miguel Soares de Oliveira

Foto de Carlos Jorge Monteiro

O presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) disse hoje, em Coimbra, que os helicópteros Kamov do Ministério da Administração Interna (MAI) estão a dar, desde 01 de novembro, “um excelente apoio” à emergência pré-hospitalar.

“Para surpresa dos mais céticos, os Kamov estão a dar-nos um excelente apoio. Desde 01 de novembro até hoje já temos mais de duas dezenas de voos realizados com os Kamov e com os nossos, em perfeita articulação”, disse hoje à agência Lusa Miguel Soares de Oliveira.

Frisou que os Kamov “aterram em sítios onde era dito que era impensável, como seja o heliporto do hospital de Faro que é em cima do hospital” ou “no meio de uma rotunda” em situações de emergência primária.

Miguel Soares de Oliveira destacou a “complementaridade” das aeronaves do MAI com os três helicópteros que o INEM tem de reserva “para o país todo”, que operam 24 sobre 24 horas “e que nunca tiveram nenhuma falha de operacionalidade”.

Para o presidente do INEM, que falava no final da assinatura de um protocolo de integração das equipas das duas viaturas médicas de emergência e reanimação (VMER) do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) nos serviços de urgência da instituição, os helicópteros estão a dar uma “excelente resposta” às necessidades de transporte [de emergência] por meio aéreo da população portuguesa.

Assumiu que a “busca de sinergias para ganhos de eficiência” feita em partilha com os dois helicópteros Kamov do MAI, que chegou a estar prevista para 01 de outubro “tardou em ser concretizada” mas arrancou um mês mais tarde.

Sobre o protocolo hoje assinado, Miguel Soares de Oliveira definiu-o como “um sistema mais eficiente e mais eficaz”, não só por proporcionar equipas “mais treinadas” em ambiente intra e extra-hospitalar como por permitir a integração dos profissionais das VMER e das ambulâncias de Suporte Imediato de Vida (SIV) na transferência de doentes críticos entre unidades hospitalares.

“Os primeiros dados que temos do processo de integração apontam para uma subida de 30 por cento na oferta das ambulâncias SIV e uma redução, em 35 por cento, da inoperacionalidade das VMER”, frisou.

O presidente do INEM adiantou que em 10 meses foram feitos 1.200 transportes de doentes críticos entre unidades de saúde.

Por seu turno, José Tereso, presidente da Administração Regional de Saúde do Centro, considerou este dia como “marcante” na relação “profícua” entre o INEM e as instituições de saúde da região centro.

 

Texto Agência Lusa

Já José Martins Nunes, presidente do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra, frisou a “conceção moderna” da extensão da urgência hospitalar para fora quer do Hospital dos Covões, quer dos Hospitais da Universidade de Coimbra, que integram o CHUC e o facto dos profissionais das duas VMER passaram a poder “envolver-se nas urgências” hospitalares.

“É uma enorme rentabilização de meios e recursos”, disse.

2 Comments

  1. Aviões Russos têm pouca fiabilidade.

  2. Henrique Costa says:

    Esta eu não sabia…concepção perdeu o p com o acordo ortográfico!!! Que parvoeira, a maioria das pessoas lê o p!!! Enfim…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*