Feira de Seiça é ponto de encontro de residentes e emigrantes da região

Posted by

 

Seiça tem a feira anual mais antiga do distrito de Coimbra. Ontem, cumpriu-se mais uma edição, com missa campal e animação musical.

 

Entre as ruínas do mosteiro e a capela octogonal recuperada, estendiam-se tendas e tasquinhas. A agricultura está na origem da feira.

Entretanto, os tempos mudaram e foram sendo aduzidos outros artigos. E outros visitantes: a feira de Seiça é, desde há várias décadas, um ponto de encontro para emigrantes e residentes da região.

Este ano, a organização tentou proporcionar-lhes mais um pretexto. “Tentámos criar uma feira mais industrial, com máquinas agrícolas, mas a situação financeira da Câmara da Figueira da Foz e, por consequência, da junta, não nos permitiu atingir o objetivo”, esclarece Paulo Pinto, presidente da Junta de Paião.

A feira já prejuízo, mas a tradição justifica o défice crónico- as quatro dezenas de vendedores pagam 500 euros de licenças, suportando apenas um terço das despesas.

3 Comments

  1. festas e feiras tudo bem, mas seria muito aconselhavel que ficassem fora das estradas.
    Em Seiça na segunda feira as 11 horas era praticamente impossivel passar de carro com as barracas de coisas que nem sempre tem grande utilidade ha venda dum lado e d`outro da estrada. Sem falar no lixo que por la ficou para os funcionarios da camara ou da junta limparem. Os comerciantes tambem podiam levar as embalagens das bogigangas que vendem sem que tenham de ser os funcionarios pagos pelos impostos dos portugueses a lomparem o lixo que todos deioxam nos locais das feiras.

  2. festas e feiras tudo bem, mas seria muito aconselhavel que ficassem fora das estradas.

  3. Zé das Couves says:

    Também lá esteve o triunvirato Carreira a produzir poluição sonora, regiamente pago pelos impostos e taxas (espoliação) cobrados pelo mini-estado que é a autarquia e pelo Estado Central voraz?

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*