Projeto H2 há um ano a humanizar o CHUC em Coimbra

O H2 – Humanizar o Hospital do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra faz um ano. O Hospital está hoje mais humano?

Penso que sim. Isto não é uma corrida de cem metros. É uma maratona e ainda por cima uma maratona que não tem fim. Mas já andámos vários quilómetros, porque temos desenvolvido várias iniciativas, temos chegado às pessoas que são sensíveis à mensagem que se pretende transmitir. O que já foi feito indicia-nos que foi útil, mas temos consciência de que ainda há muito a fazer. O objetivo é dinamizar um processo de sensibilização que oriente no sentido de centrarmos a atenção nas pessoas.

Tanto nos profissionais como nos doentes…
Por isso se chama H2. Tem a ver com os dois h’s de humanizar o hospital, bem entendido, mas também com esses dois canais. Naturalmente que temos de pôr acima de tudo o doente, que ainda por cima vem numa situação frágil, e o nosso primeiro objetivo, como profissionais de saúde, é não só tratar como cuidar do doente. E esta parte do cuidar é que está esquecida, não é só aqui, não é só no nosso país, é no mundo ocidental.

Isso acontece porque os profissionais estão esgotados?
Também será certamente um fator, mas há aqui uma orientação da Medicina que não está a satisfazer totalmente aquilo que as pessoas esperam dela. O que as pessoas esperam dos profissionais de saúde é que olhem para si, pessoa doente, de uma maneira completa, holística. Que não seja só o problema físico que seja considerado, que sejam tratadas de uma maneira cortês, atenciosa, preservando a sua dignidade, empática, com compaixão, não no sentido de lamecha, mas no de ter vontade sincera de ajudar. Essa vertente não está suficientemente presente no nosso dia-a-dia e tem de ser lembrada. Causas para isto? Vivemos num mundo em que o objetivo é muito a produção, o número. Cada vez se pensa mais que isso não pode ser o objetivo principal.

 

(Ler entrevista completa e reportagem sobre Projeto H2 na edição em papel de 24 de janeiro de 2020 do DIÁRIO AS BEIRAS)

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.