Coimbra é uma cidade única

Luís Santarino

Um dia, um belo dia…e que belo que foi, perguntei a um Professor de Direito se me podia tirar uma dúvida. Depois de uma espécie de “pirueta”, a que eu achei muita graça, retorquiu: sinta-se livre, sinta-se livre! Sem deixar cair, e como diz a “tribo da bola”, respondi: eu não me sinto livre…eu sou mesmo livre!

Ele respondeu com toda a liberdade e eu aceitei a resposta como boa, ainda que mais tarde a razão estivesse mais perto da minha opinião. Mas, na verdade, ele sabe, não bem mais do que eu…ele sabe mesmo e eu calculo que assim seja…! Tudo colocado no seu devido lugar!

Isto tudo a propósito, da afirmação que não há verdades absolutas. Ou a existir, o que admito, contrariaria tudo o que todos, nós e antepassados andámos e andamos a fazer, nesta coisa achatada nos pólos e bojuda no equador a que chamamos Terra!

Não sei se os nossos filhos e netos estarão a achar muita piada ao legado que lhes vamos proporcionar. É melhor deixar a coisa por aqui, não vá alguém lembrar-se de nos começar a chatear!

Sou conimbricense. Não sou coimbrinha, nem sei que raio de coisa é essa. Talvez alguém que, com uma visão tão redutora, tão redutora, tão redutora, nos queira ou deseje colocar ao nível de qualquer, ou uma outra qualquer cidadezinha entre o interior e o litoral.

Tenho por hábito vaguear pela cidade, da baixa à alta, da centralidade solum à centralidade fórum – nova – passando pelos olivais e montes claros.

A melhor forma de conhecer o sentimento das pessoas é utilizar os transportes públicos. Entre “sítios”, vulgo paragens, as conversas fluem e fica em certos aspectos, um enorme sentimento de culpa. Sim. De culpa. Da nossa culpa, porque temos receio de dizer o que a cada momento mais nos apoquenta, nos vai na alma!

Coimbra é uma cidade única. Por isso, nós também somos únicos!

Tratar de Coimbra como ela merece deverá ser um desígnio da nossa comunidade de vizinhos. Que ninguém tenha vergonha, de dizer que todos fazemos parte dessa imensa comunidade, que vai ter de se comprometer com o seu desenvolvimento.

Coimbra não está bem tratada.

Seja livre…ou liberte-se!

One Comment

  1. Caro Santarino
    Concordo com quase tudo que dizes e sei que assim és. Apesar de seres um HOMEM ligado profundamente ao desporto, interessas-te por tudo o que se passa em Coimbra. Não és apenas um Conimbricense como és um excelente Conimbricense. Só discordo porque acho que há mesmo Coimbrinhas. Para eles a cidade desempenha apenas uma função adicional à sua vida. Começam no Tiro e Sport ou Avenida, passeiam-se de calcinha vermelha pelas portas do Casino da F.F. e desaguam nas bancadas do estádio Cidade de Coimbra como grandes teóricos desportivos. Nunca os viste num pavilhão onde se joga o teu amado Basquetebol; Nunca os viste nas bancadas de um campo de râgby ou a ver uma prova de atletismo nas nossas miseráveis pistas. A muitos podemos até perguntar onde é a Casa da Cultura que eles ignoram que existe… hehehehe….Esses sim são os Coimbrinhas e Coimbra não está bem tratada porque existem muitos…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.