Maioria dos europeus compra eletrodomésticos pelo preço

Os vendedores de eletrodomésticos influenciam muito as opções de compra, nas enquanto na maioria dos países da União Europeia, entre os quais Portugal, o fator mais importante para a escolha é o preço, na Roménia é o consumo de energia.

Carlos Patrão, investigador da Universidade de Coimbra, instituição que liderou o estudo europeu SELINA, confessou à agência Lusa terem-se deparado com essa surpresa em inquéritos que efetuaram a 400 vendedores de estabelecimentos comerciais de 12 países. “Foi estranho”, comentou, frisando que na Roménia, onde o estudo abarcou o maior número de vendedores, oito dezenas, o fator preço só aparece depois do consumo de energia.

Em Portugal e nos outros países envolvidos no estudo o preço surgia em primeiro lugar para obterem sucesso na venda. Para os portugueses, salientou o investigador, o consumo era mesmo a derradeira característica a realçar no equipamento. No entanto, o mesmo estudo estima que 11 por cento dos consumos domésticos dos habitantes da EU resultam de desperdícios com os equipamentos no modo standby, e que nesta Comunidade de Estados podem ser poupados anualmente “cerca de um bilião de euros” se a internet for desligada quando já não se está a usar.

Apoiado pela Agência da Comissão Europeia para a Competitividade e Inovação (EACI), o projecto SELINA efetuou uma caracterização dos consumos, nos modos standby e desligado dos equipamentos elétricos e eletrónicos atualmente comercializados.

No decorrer da investigação, que teve início em 2008, foram ainda realizadas medições de consumos em mais de 6.300 equipamentos à venda em lojas dos 12 países participantes (Portugal, Alemanha, França, Dinamarca, Letónia, Roménia, República Checa, Bélgica, Inglaterra, Áustria, Grécia, Itália). Segundo Carlos Patrão, no presente ano de 2010, quando já se encontrava em vigor legislação comunitária que impunha certos limites aos consumos no modo standby, eram ainda mais de 30 por cento os equipamentos à venda em loja que os ultrapassavam.

Carlos Patrão fez parte da equipa internacional de 12 países liderada por Traça de Almeida, do Instituto de Sistemas e Robótica da UC, que na próxima terça apresentará em Coimbra os resultados do SELIMA, num workshop em parceira com a EDP. Em resultado do estudo no site do SELIMA (www.selina-project.eu) estarão à disposição dos cidadãos um conjunto de conselhos úteis, no idioma de cada estado membro, e uma calculadora de consumos em função dos modelos de equipamentos que foram analisados e estão à venda nas lojas.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.