De oração a espetáculo na Figueira da Foz

Posted by

Carlos Lopes é, há mais de três décadas, padre da paróquia de Buarcos, Figueira da Foz. Há cerca de 15 anos, juntou um grupo com o qual iniciou um cantar de homenagem a Nossa Senhora, que é ouvido naquela freguesia na noite de 14 para 15 de agosto. Peculiar, poder-se-á dizer, uma vez que “pega em temas com sabor a fado”.

Uma serenata. “Fugindo ao nome tradicional de vigília”, explicou o pároco ao DIÁRIO AS BEIRAS. Com o passar do tempo, novos elementos foram-se juntando à “prata da casa”, formando um grupo heterogéneo, de diferentes idades, formações e ofícios.

Terça-feira, essas três violas e três guitarras marcaram o compasso de um grupo de vozes que subiu ao palco do Salão Caffé do Casino Figueira, fazendo “eco” das melodias da tradicional serenata. “A serenata não é um espetáculo”, esclarece o padre Carlos, “é um momento de oração e está ligada ao templo”. Como tal, a melodia que ecoou na noite de terça-feira não é uma serenata. Essa, afirma, “é aquilo e muito mais”.

O pároco de Buarcos e o seu grupo não levaram só à plateia o mar, a areia ou as gaivotas que pintam a paisagem da freguesia dos pescadores. Tal como o próprio disse, na abertura do evento, a freguesia “é muito mais do que aquilo que se vê”. “Nos diversos recantos da vila piscatória, Nossa Senhora tem uma morada permanente”, continuou.

E foi assim que entre fados de Coimbra e Lisboa, hinos litúrgicos e cantares de devoção popular, as 13 peças musicais revelaram ao público os recantos da vila e a devoção à santa. No início do espetáculo, o padre Carlos pediu o mesmo ao qual apela na sua igreja quando soa a primeira nota das serenatas: palmas, só no final. Contudo, a plateia não resistiu e, ao derradeiro acorde da segunda peça, a salva de palmas ecoou por uma sala cheia.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.