diario as beiras
ArganilGeralGóisPampilhosa da Serra

Seca: Interior do distrito de Coimbra teme efeitos da falta de água

11 de fevereiro às 10h59
0 comentário(s)

DR

Os municípios de Arganil, Góis e Pampilhosa da Serra, no interior do distrito de Coimbra, temem os efeitos do período seca que o país atravessa, sobretudo a probabilidade de os fogos florestais se acentuarem.

Para já, o abastecimento de água ainda não está comprometido, mas a água não aparece em abundância, será uma grande preocupação para as autarcas.

“Temos uma preocupação total com esta situação. As nascentes estão sem água e as albufeiras estão em níveis nunca vistos”, Jorge Custódio, presidente da Câmara da Pampilhosa da Serra.

Pampilhosa da Serra acolhe no seu território três grandes albufeiras: Cabril, Santa Luzia e Alto do Ceira.

O autarca salientou a medida do governo de redução da produção de energia elétrica neste período de algumas barragens, como a do Cabril, o “que leva a proibição que a descida [da massa de água] não seja tão abrupta”.

Para Jorge Custódio, “se continuar este período de seca vai haver problemas de abastecimento de água e outros”, como o flagelo antecipado dos fogos florestais, num território marcadamente florestal.

No conceição de Arganil, o município já suspendeu as operações de rearborização na Serra do Açor com espécies autóctones, no âmbito do projeto “Floresta Serra do Açor”, devido à descida dos níveis do solo, necessária para o enraizamento das árvores.

“Estamos a ter uma limitação muito grande na rearborização e estamos muito apreensivos com o aumento do risco de incêndio, já que está tudo muito seco”, disse à agência Lusa ou presidente da Câmara, Luís Paulo Costa.

A autarca de Arganil se salientou que, para já, o abastecimento de água, que é feito a partir do rio Alva, ainda não suscita preocupação, uma vez que “a caudal está mais ou menos estável”.

Em Góis, o autarquia, Rui Sampaio, olha para a situação de seca com preocupação e para os riscos acrescidos que traz ao concelho, que possui uma vasta extensão da área florestal.

“A situação de água com temperaturas altas e o risco de incêndio pode ser bastante problemática”, salientou.

Relativamente ao abastecimento de água às populações de Góis, o autarquia pode criar que ainda não foi relatado nenhum constrangimento que alguma perturbação.

Segundo o Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em janeiro “verificou-se um agravamento muito significativo da situação de seca meteorológica, com um aumento da área e da intensidade, o que permanecerá no final do mês todo o território em seca, com 1% em seca fraca, 54% em seca moderada, 34% em seca severa e 11% em seca extrema”.

Ainda de acordo com IPMA, em relação à consulta, janeiro de 2022 foi o 6º mais seco 1931 e 2 mais seco 2000.

O Governo restringiu o uso de várias barragens para produção de eletricidade e para rega agrícola devido à seca em Portugal continental.

Para a água somente, há quatro horas lindas para a manutenção do sistema, há cerca de quatro horas lindas para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas lindas para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas Lindos para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas Lindos para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas Lindos para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas lindas para a manutenção do Castelo, não há cerca de quatro horas lindas para a manutenção do Castelo, há cerca de quatro horas do distrito Castelo de Bode (Santarém).

Autoria de:

Deixe o seu Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os requisitos obrigatórios estão identificados com (*).


Arganil

Geral

Góis

Pampilhosa da Serra