diario as beiras
opiniao

Opinião: A resiliente tradição dos andaimes de bambu em Macau

24 de maio às 10h44
0 comentário(s)

Imersos no cenário urbano de Macau, onde arranha-céus coexistem com edifícios históricos centenários, os andaimes de bambu permanecem em destaque como uma tradição resistente e versátil. Estes andaimes, feitos de um material simples mas robusto, são parte intrínseca da paisagem de construção da região, representando uma simbiose única entre tradição e inovação.
Ao percorrer as movimentadas ruas de Macau é impossível ficar indiferente às construções de bambu que abraçam os edifícios como que instalações de arte, formando complexas estruturas que se entrelaçam vertiginosamente de forma paralela às fachadas. O bambu, com as suas características de flexibilidade e durabilidade, é o material de eleição para os construtores locais há gerações e sua presença continua a ecoar a história e a cultura da região.
Durante o período de tufões, quando irados ventos e chuvas torrenciais assolam a cidade, os andaimes de bambu têm-se mostrado resilientes perante tais testes de resistência.
Além de sua funcionalidade prática, sustentabilidade, baixo custo, leveza na facilidade de transporte, tempo reduzido na montagem e desmontagem, as construções de bambu evocam também uma estética única de harmonia visual onde a simplicidade e leveza do material contrasta com os excêntricos casinos e com compactos edifícios contemporâneos.
Mais do que simples estruturas de suporte, os andaimes de bambu em Macau são testemunhos da habilidade artesanal e da resiliência da comunidade local. Eles personificam a capacidade de adaptação de antigas tradições face aos desafios modernos, preservando a essência cultural de Macau, região caracterizada pela constante mudança e crescimento galopante.
Ano após ano, tufão após tufão, mudanças e evolução, os andaimes de bambu permanecem como silenciosos guardiões do passado e do futuro, sustentando não apenas edifícios, mas também a identidade e a alma desta tão singular região.
É inevitável o sorriso que me escapa quando os meus olhos se prendem no emaranhado de bambus que percorrem os edifícios. Sinto uma certa identificação, que talvez todos os emigrantes portugueses o sintam também. Continuamos fiéis à nossa identidade e valores, flexíveis nas adversidades, mas sempre erguidos sobre a nossa alma lusitana.

Autoria de:

Francisca Beja

Deixe o seu Comentário

O seu email não vai ser publicado. Os requisitos obrigatórios estão identificados com (*).


opiniao