Octávio Sérgio, o virtuoso que acompanhou Artur Paredes

Spread the love

José Afonso com Durval Moreirinhas (viola) e Octávio Sérgio (Guitarra de Coimbra) em 1981 ASSOCIAÇÃO JOSÉ AFONSO

É discreto, de uma timidez que o afasta das entrevistas e das páginas dos jornais. Mas por detrás da guitarra, revela-se o artista, virtuoso e vibrante.

Octávio Sérgio será homenageado amanhã, ao cair da tarde (17H00), num espetáculo no Grande Auditório do Convento São Francisco. Tal como aconteceu no I Festival de Guitarra de Coimbra, em que Paulo Soares criou e dirigiu no âmbito da Coimbra Capital Nacional da Cultura 2003, presta-se homenagem ao mestre. Desta vez, porém, serão estreadas mais algumas obras e o espetáculo contará com participação do homenageado.

Octávio Sérgio de Matos Azevedo nasceu em Viseu a 15 de agosto de 1937 e era o mais novo de 10 irmãos. Foi para estudar Físico-Químicas na Faculdade de Ciências, em Coimbra, motivado pelos sons das guitarras que escutava na rádio e em discos. Teve o privilégio de conhecer Carlos Paredes e de ensaiar com seu pai Artur Paredes (de quem foi, aliás, o último “segundo guitarra”).

Começara, entretanto, a compor as suas próprias peças num estilo arrojado para a época, que um dia mereceu o seguinte comentário de Carlos Paredes: “A sua música está dentro de uma linha entre Stravinsky e a música primitiva”.

“A partir destas fontes, Octávio Sérgio construiu uma obra inovadora, aumentando os efeitos dos Paredes e a abrangência da guitarra, onde o aproveitamento técnico e sonoro nos transporta para estados existenciais repletos de energia e profundidade”, referem os promotores do espetáculo.

Ao longo do seu percurso, o guitarrista acompanhou cantores como Adriano Correia de Oliveira (1942-1982), António Bernardino (1941-1996), António Sousa Pereira, João Barros Madeira, José Maria Lacerda e Megre (Filho) e José Afonso.

Fez a sua estreia discográfica no LP “O Melro” de Janita Salomé em 1980.

Para além de executante e compositor de créditos firmados, Octávio Sérgio é também um dos maiores divulgadores da canção e da tradição coimbrã, através do seu blogue guitarracoimbra.blogspot.com. Amanhã, o mestre é homenageado. Silêncio, que se vai tocar o fado.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.