Coimbra: Grande número de autocarros avariados obriga a restrições

Posted by
Spread the love

DB/Foto de Ana Catarina Ferreira

“Não temos condições, não há frota, não há serviços de manutenção para suportar um aumento de serviço. Pelo contrário, vai ter que ser reduzido, por muito que me custe admiti-lo”, afirmou ontem, em plena reunião do executivo municipal, a vereadora e presidente dos Serviços Municipalizados dos Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC), Ana Bastos.
Face aos números divulgados nos últimos dias sobre autocarros avariados, a autarca admitiu uma alta taxa de viaturas imobilizadas, o que resulta de falta de profissionais nas oficinas, abrindo a porta a contratações de mecânicos. O presidente da autarquia, eleito pela coligação Juntos Somos Coimbra, José Manuel Silva, explicou a dificuldade de renovação da frota em 14 meses de mandato, alegando ter herdado “uma frota podre; e não se compram autocarros assim, porque não há autocarros ao virar da esquina”. O edil referia-se ao facto de ter sido uma maioria socialista a gerir os destinos da autarquia nos oito anos anteriores.

Oposição socialista diz que a culpa é da maioria

A troca de argumentos resultou da intervenção inicial da vereadora socialista, Regina Bento – presidente dos SMTUC no anterior mandato – que reafirmou que a taxa de imobilização de 42% da frota que se registou na sexta-feira passada é responsabilidade do atual executivo, considerando que a narrativa de culpar o PS “já não pega”.
Ana Bastos respondeu que o anterior executivo, liderado pelo PS, não cumpriu o plano de renovação de frota 2015 e 2019, quando o quadro comunitário de apoio em vigor estava em pleno, o que poderia fazer baixar a idade média dos autocarros para cerca de 10 anos, mas agora é de 15 anos. Ana Bastos afirmou que, nesse período, deveriam ter sido adquiridos 75 autocarros, mas só chegaram 35 viaturas standard.
Mesmo assim, o executivo anterior decidiu alargar a rede dos SMTUC a sul e a norte do concelho em 2021: “Quem deixa um serviço nestas condições, devia ter vergonha em vir atirar pedras a quem herda uma verdadeira desgraça”.
“Vergonha é o que estão a fazer à cidade e aos conimbricenses”, respondeu a vereadora socialista, acusando a maioria do Juntos Somos Coimbra de “sacudir a água do capote, em mais uma tentativa torpe, que já ninguém leva a sério, de imputar responsabilidades ao executivo anterior”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.