Câmara da Lousã reconhece os melhores do tecido empresarial

DB/Foto de Miguel Almeida

Foram ontem galardoadas 19 empresas do concelho da Lousã pelos seus desempenhos no ano de 2021. A cerimónia quis destacar a relevância que este tecido empresarial tem na economia do concelho.
Entre as 19 empresas que receberam o estatuto de PME Líder, nove delas receberam também o estatuto de PME Excelência.
Durante a cerimónia, que decorreu no Salão Nobre dos Paços do Concelho da Lousã, o presidente da autarquia, Luís Antunes, vincou a importância que as empresas têm no concelho.
“Este é o momento de reconhecimento. Esta cerimónia e este estatuto são um estímulo para as vossas empresas mas também para o concelho. Vocês são um grande contributo para a economia do concelho avançar”, disse.

Empresas fizeram 86 milhões de investimento

Luís Antunes deu mesmo números que provam a influência que as empresas têm no concelho e até na região Centro do país.
“Estas 19 empresas são fulcrais e correspondem a 617 empregos, a mais de 86 milhões de euros de investimento e 21 milhões de euros em exportações. Se olharmos para as mil maiores empresas da Região Centro podemos verificar que há 41 empresas do concelho nessa lista. Estes números demonstram a capacidade destas empresas e dos seus gestores”, realçou.

Zona Industrial é para melhorar

O presidente da Câmara Municipal da Lousã esclareceu ainda que, para 2023, o objetivo é melhorar a zona industrial do Alto do Padrão.
“É necessário que continuemos a melhorar a zona industrial para que as empresas se expandam. Por outro lado, os acessos têm que continuar a ser melhorados e, por isso, quero dizer-vos que o MetroBus está muito bem encaminhado e continuamos a fazer esforços para termos mais um acesso ao IP3”, vincou.
Já o presidente Associação Empresarial Serra da Lousã, Carlos Alves, reiterou o elevado número de premiados.
“É muito bom verificarmos que, de ano para ano, o número de empresas que são galardoadas com estes estatutos é cada vez maior”, afirmou.
A sessão ficou ainda marcada pelo discurso do vogal da Agência para a Competitividade e Inovação (IAPMEI), Nuno Gonçalves.
O dirigente aproveitou para deixar vários conselhos e recomendações para as empresas conseguirem obter financiamento público através dos quadros comunitários. Nesse sentido, Nuno Gonçalves esclareceu que Portugal é o terceiro país da Europa que mais apoia diretamente o tecido empresarial com fundos vindos do Plano de Recuperação e Resiliência.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.