Centro de BTT espera por verbas sobrantes de outros projetos em Góis

DR

A não utilização de dinheiros da Europa que tinham sido atribuídos ao concelho para projetos que acabaram por não ser executados, podem agora ser aplicados na construção de um centro de BTT.
Pelo menos é essa a pretensão do município, aproveitando o financiamento através do programa Valorizar, gerido pelo Turismo de Portugal no “apoio ao investimento na promoção da qualificação do destino turístico Portugal”.
Depois de uma reunião no Turismo de Portugal, em outubro, a autarquia liderada por Rui Sampaio recebeu, anteontem, a secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, que deixou antever “uma resposta positiva”, embora a resposta oficial do Turismo de Portugal apenas seja conhecida na próxima semana.

Secretária de Estado deu boas indicações
“O Turismo de Portugal está a analisar e, numa primeira análise, sem prejuízo de uma análise mais técnica, parece-me que estas duas componentes podem substituir a componente que não foi executada”, disse a governante, na sua intervenção, no salão nobre da autarquia, referindo-se ainda à requalificação do Parque da Monteira.
O projeto “Góis SmartLand”, constituído por vários subprojetos, foi aprovada pelo programa Valorizar, com um apoio de 400 mil euros, dos quais só foram executados 68.754 euros.
Para isso, contribuiu o facto de a requalificação e musealização da Casa Alice Sande ter obtido parecer favorável, mas condicionado, da Direção Regional da Cultura do Centro, que impossibilita, para já, o avanço do projeto, que contava com um apoio de 327 mil euros.

Projetos à escala intermunicipal
“Deste modo, foi solicitada a possibilidade de análise de reajuste financeiro em dois projetos, que se considera irem ao encontro da estratégia delineada pelo Turismo de Portugal, com impacto no território, que possuem um enquadramento à escala intermunicipal”, explicou o presidente da Câmara de Góis, Rui Sampaio.
O autarca pretende – com a reafetação das verbas – construir o Centro BTT/Centro Cyclin Portugal Góis, no Parque do Baião, e capacitar o Ciclo da Truta (aquicultura para fins técnicos e pedagógicos no Parque da Monteira), que representam investimentos superiores a 300 mil euros.
Num balanço ao programa Valorizar – que, entretanto, foi substituído pelo programa Transformar –, Rita Marques salientou o apoio a mais de 750 projetos, num investimento do Turismo de Portugal que ultrapassou os 100 milhões de euros a fundo perdido.

Números do turismo em Portugal em 2022
Numa perspetiva global, a secretária de Estado do Turismo estima que Portugal atinja até ao final do ano um novo recorde de receitas turísticas, ultrapassando os 18 mil milhões de euros contabilizados em 2019.
“Perspetivamos que vamos novamente quebrar um novo recorde nas receitas turísticas”, salientou Rita Marques na visita de trabalho.
A governante frisou que Portugal terminou o ano de 2019 com 18 mil milhões de receitas “e este ano, provavelmente, chega aos 20 mil milhões de euros”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.