Penacova: Aumento de custos de quatro empreitadas obriga a empréstimo bancário

Posted by

Ascende a 820 mil euros o total do empréstimo que o Município de Penacova vai pedir à banca para cobrir o aumento de de preços de quatro empreitadas em curso ou entretanto concluídas.

A minuta do contrato de crédito foi aprovada na reunião do executivo que decorreu anteontem, após autorização prévia da Assembleia Municipal, confirmou ontem ao DIÁRIO AS BEIRAS o presidente da câmara, Álvaro Coimbra.

“O aumento do preço das matérias-primas a isso nos obriga, para que seja possível cumprir os compromissos”, referiu o autarca eleito pelo PSD.

O valor do empréstivo resulta do somatório do acréscimo pago em cada uma das obras, que foi de mais 289 mil euros na empreitada do Centro Educativo de Figueira do Lorvão – que deverá abrir no início de 2023 – e mais 280 mil euros na reabilitação da estrada de Carvalho.

Acrescem mais 190 mil euros resultantes do aumento dos custos da adaptação para Casa das Artes das instalações do antigo tribunal – com conclusão prevista para dentro de meio ano – e a empreitada de requalificação da entrada de São Pedro de Alva, para a qual é necessário pagar mais 60 mil euros do que o inicialmente orçamentado.

Álvaro Coimbra explicou que o empréstimo vai contar para o nível de individamento da câmara cuja capacidade não está, todavia, no limite.

“Esta conjuntura terrível, com o aumento das taxas de juro, da inflação e da energia, faz aumentar os custos da câmara em centenas de milhares de euros”, lamentou o autarca, acrescentando que a fatura anual da EDP para este ano de 2022 subiu dos 480 mil orçamentados para 700 mil euros.

Apelo ao Governo para descer o IVA da energia

Reconhecendo a dimensão do “esforço financeiro” que está a ser pedido às autarquias, o autarca defende que o Governo também deveria criar um pacote de apoios ao poder local, designadamente redução do IVA da eletricidade pago pelos municípios .

Em fase de elaboração do Orçamento Municipal 2023 – a discutir e analisar dentro de cerca de um mês, o edil adianta que “será de muita contenção”, tanto quanto ao volume de obras a candidatar a fundos comunitários, que exigem uma quota parte nacional, quer quanto a “projetos de menor dimensão, que vamos ter de elencar por prioridades”, concluiu.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.