Marta Temido já esperava limitações nas urgências de ginecologia e obstetrícia no verão

Posted by

Arquivo

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu hoje que já eram esperadas limitações nas urgências de ginecologia e obstetrícia de vários hospitais do país, durante este verão, e mostrou-se empenhada em minimizar os problemas.

“Sabíamos que íamos ter contingências durante o verão e sempre dissemos que o funcionamento em contingência durante o verão iria acontecer”, afirmou Marta Temido, no final de uma visita às obras do novo Hospital Central do Alentejo, em Évora.

Segundo a governante, no total, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) tem “cerca de 800 obstetras” e em cada um dos “38 pontos de urgências” desta especialidade “tem que estar uma equipa” de profissionais.

“Portanto, o funcionamento em rede, que sempre existiu, vai continuar a existir neste verão”, sublinhou, em resposta aos jornalistas que a questionaram sobre os condicionamentos, no próximo fim de semana, em nove hospitais.

Temido notou que agora “há uma informação clara” para a população sobre as limitações previstas e que, em agosto, entrará em vigor “o novo instrumento de pagamentos às equipas” para permitir “captar mais gente para fazer serviços de urgência”.

“Os sistemas de saúde têm problemas, a vida tem problemas. A questão é: como é que nos posicionamos em relação aos problemas? Há uns que baixam os braços, outros dizem que não há nada a fazer e que está tudo mal e há uns que fazem, como nós estamos a fazer”, realçou.

Questionada se o que o Governo está a fazer é suficiente, a ministra respondeu que “é o máximo possível neste momento”.

“Há coisas que só se resolvem com soluções estruturais, com uma negociação da carreira médica, com a valorização do trabalho dos enfermeiros e a criação de novas carreiras, que estão em desenvolvimento”, sublinhou.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.