Emoção e tradição na bênção das pastas

A Igreja da Sé Nova recebeu ontem, mais uma cerimónia de bênção das pastas, agora de alunos dos diferentes cursos da Universidade de Coimbra (UC).
Um momento sempre de grande emoção para os que se encontram prestes a concluir mais um ciclo académico, acompanhado no exterior por muitos familiares e amigos, pacientemente à espera para a celebração e tradicionais fotos da praxe.
No interior da igreja, alunos das várias faculdades da UC, devidamente trajados e de pastas na mão, assistiram à eucaristia, conduzida pelo Bispo de Coimbra. D. Virgílio Antunes explicou aos jornalistas “que este dia é uma marca muito forte para as pessoas, porque é um dia que se sente. Na vida académica há muitos momentos variados, mais desportivos, mais festivos, mas aqui é mais voltado para a reflexão interior”.
“Umas pessoas têm uma fé mais desenvolvida, outras menos, mas nós acolhemos a todos”, acrescentou o Bispo de Coimbra que, na sua intervenção na missa da bênção das pastas dos estudantes da UC, explicou que tentou passar uma mensagem de que “eles são pessoas que têm responsabilidade acrescida na vida da sociedade, pelo facto de terem tido as possibilidades de formação que tiveram na UC”. “Alguns deles, foi o que lhes disse, vão ter mesmo responsabilidades muito grandes dentro do contexto social em Portugal, no estrangeiro, num mundo em que vivemos”, frisou, lembrando que “isso é uma responsabilidade, mas ao mesmo tempo um poder imenso”. “Estes jovens todos, com um coração grande, cheios de valores importantes, que fizeram um crescimento humano adequado e no conhecimento, podem revolucionar o mundo em que vivemos, que precisa de pessoas com uma capacidade de visão, de leitura dos acontecimentos e de mudança de tanta coisa que vemos está errada nesta sociedade em que nos encontramos”, destacou.
Segundo D. Virgílio Antunes, “é deles que podemos esperar essa mudança e essa revolução. É um pouco isso que procuro transmitir-lhes, naturalmente, a partir daquilo que é o contexto da fé cristã, que é o da celebração em que nos encontramos e acho que eles vão ser capazes de transformar o mundo em que nos encontramos”.
Para D. Virgílio Antunes, “um dos problemas que temos hoje na sociedade, e não é só com os jovens, é cada pessoa se fechar no seu pequeno casulo, pequeno mundo, pequeno círculo e achar pensar que o que está mal alguém o há de resolver. E quem há de resolver o que está mal somos todos nós e é cada jovem, que tem esta pujança da força da vida”, concluiu.
A cerimónia terminou com a esperada bênção das pastas, levantadas pelos estudantes à passagem do Bispo de Coimbra. Num momento de emoção, as fitas voaram e encheram de cor a Sé Velha, não sem antes os alunos terem feito a sua tradicional bênção dos finalistas.

Reitoria e DG-AAC
Cristina Albuquerque e Delfim Leão, vice-reitores da UC, marcaram presença na missa de bênção das pastas, assim como João Caseiro e Matias Correia, respetivamente, presidente da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG_AAC) e dux veteranorum da UC.
A eucaristia foi acompanhada pelo coro da Capela da UC e teve o apoio do Agrupamento de Escuteiros 358 da Sé Nova, presentes com 17 elementos, quatro deles finalistas.
| José Armando Torres

Ler reportagem completa na edição impressa do DIÁRIO AS BEIRAS em 20/06/2022

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.