Município de Cantanhede aumentou o investimento e reduziu a despesa em 2021

Posted by

A Câmara Municipal de Cantanhede aumentou o investimento em 23%, relativamente a 2020 e conteve a despesa corrente, traduzindo uma poupança de seis milhões de euros, canalizados para despesas de capital, foi hoje anunciado.

O Relatório de Gestão do Município de Cantanhede de 2021 foi aprovado, na reunião da Câmara de quarta-feira, com quatro votos a favor e duas abstenções.

Apesar da crise pandémica provocada pela covid-19, que dura desde 2020, a “trajetória favorável dos principais indicadores prosseguiu a um ritmo semelhante ao dos anos anteriores”, disse, citada numa nota de imprensa, a presidente da Câmara Municipal de Cantanhede, Helena Teodósio.

O município “encerrou as contas de 2021 sem dívidas a fornecedores e com as faturas de empreiteiros entradas até 31 de dezembro de 2021 completamente liquidadas, situação que comprova a assertividade das decisões quanto ao planeamento operacional e ao nível do controlo financeiro”, sublinhou.

Em 2021, o Câmara de Cantanhede, no distrito de Coimbra, registou um incremento do investimento em cerca de 2,6 milhões de euros, mais 23% do que em 2020, em infraestruturas e equipamentos coletivos ou na aquisição de terrenos e outros bens de capital, “variação que adquire ainda maior significado se considerarmos que o aumento das despesas correntes se quedou nos 8,9%”.

No que diz respeito ainda à despesa, houve um aumento de 97% dos dispêndios na área da saúde e ação social, aumento esse em relação “apenas a uma parte dos custos das ações que foi necessário empreender para diluir os efeitos da pandemia de covid-19”.

Já o limite da dívida assentou-se em 0,31% da média da receita corrente dos últimos três anos, quando o limite máximo legal admitido é de 1,5% dessa média.

Para a autarca este dado reflete “uma folga de algum modo tranquilizante face aos desafios do futuro”, mas alerta para a circunstância de “nesta altura vários fatores se estarem a conjugar no sentido de exercer uma pressão sobre a tesouraria que pode vir a influenciar negativamente o exercício de 2022”.

Nesse sentido, a presidente admite que esses fatores passam pelo impacto da pandemia de covid-19, que ainda continua a verificar-se, a subida geral dos preços de bens e serviços gerado pela invasão da Rússia à Ucrânia, mas também o expectável aumento dos encargos inerentes à assunção de novas competências transferidas pela administração central.

Helena Teodósio concluiu garantindo que o Município de Cantanhede está preparado para tirar “o melhor proveito possível das oportunidades que se perspetivam no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) e do Portugal 20/30”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.