Coimbra homenageia Judite Mendes de Abreu

FOTO DAVID FERREIRA

Foi a determinação que fez de Judite Mendes de Abreu a “grande mulher que foi”, disse ontem o presidente da Câmara de Coimbra. Uma determinação que marcou uma vida dedicada à causa da liberdade e da democracia.

O tempo, porém, faz desvanecer a memória e foi precisamente isso que levou a autarquia a atribuir o nome de Judite Mendes de Abreu à antiga sala de Despacho Privado dos Paços do Concelho.

“105 anos depois do seu nascimento, esta homenagem visa perpetuar a memória” daquela que foi a primeira – e única – mulher eleita a presidir à Câmara Municipal (de 1976 a 1979) e à Assembleia Municipal de Coimbra (1983 a 1986), disse José Manuel Silva.

Presente na sessão, Pedro Mendes de Abreu, filho da homenageada, recordou, como orgulho, a “teimosia” da mãe.
“Foi uma mulher de têmpera. Muito me honra ver que a minha mãe ainda é recordada”, confessou.

Professora do liceu, Judite Mendes de Abreu presidiu à Comissão Administrativa da Câmara da Figueira da Foz durante a Revolução dos Cravos.

Nas primeiras eleições autárquicas, em 1976, foi eleita para a liderança do executivo municipal de Coimbra como independente, numa lista do PS. Entre 1982 e 1985, assumiu a presidência da Assembleia Municipal, quando era presidente da Câmara de Coimbra o empresário Mendes Silva.

Defensora da liberdade
e dos direitos das mulheres

Além de professora do ensino particular (fora-lhe vedado o ensino público por razões políticas), foi sócia-gerente do Teatro Avenida de 1961 até 1994.

Foi, sobretudo, “ativista, defensora da liberdade e dos direitos das mulheres”, tendo integrado, nesse âmbito, o Conselho Nacional das Mulheres Portuguesas.

Em 1983 foi agraciada com a Ordem da Liberdade pelo Presidente da República, o General Ramalho Eanes e, em 2002, com a Medalha de Ouro da Cidade, pela Câmara de Coimbra, evidenciando o reconhecimento por parte da cidade à qual Judite Mendes de Abreu consignou grande parte da sua vida.

“Faleceu a 10 de maio de 2007, depois de uma vida inteira dedicada ao serviço do país e sobretudo de Coimbra, quer no campo da oposição à ditadura, quer na construção da democracia”, refere uma nota da autarquia.

Presente na sessão de ontem, Luís Marinho, presidente da Assembleia Municipal, lembrou que “Judite Mendes de Abreu foi uma mulher muito respeitada, de grande prestígio e coragem”. “Esta homenagem é a vitória da memória contra o esquecimento”, afirmou.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.