Futuro da ciência exige fim da precariedade de emprego

Posted by

“DB – Ana Ferreira”

“Uma transição paradigmática para a ciência fundamental, para a ciência sem patentes”, é o que defende o sociólogo e docente da Faculdade de Economia da Universidade de Coimbra, Boaventura Sousa Santos, de forma a que a Europa (e o mundo) possam trilhar um caminho de cultura científica.

Criticando o que diz ser uma agenda política de “inovação voltada para as empresas”, o sociólogo antecipa que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) em Portugal “vai ser um fracasso”, porque está vocacionado para as empresas e para os municípios, e pouco para a universidade. Na sua perspetiva, o desenvolvimento tem de assentar na ciência e investigação e para isso é necessário acabar com a precariedade de emprego neste setor.

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (MCTES) mostrou-se de acordo neste ponto, acrescentando que os objetivos do Governo para a próxima década são também conseguir que o investimento em ciência e investigação atinja, em Portugal e na Europa, 3% da riqueza produzida, acima dos atuais 1,6% em Portugal e 2% na média europeia. Além disso definiu que se pretende que 30% dos jovens do Ensino Superior, dentro de 10 anos, tenham uma experiência de Erasmus.

| Leia a notícia completa na edição de hoje do DIÁRIO AS BEIRAS

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.