Exposição digital “Microrganismos de Estimação” inaugurada ‘online’ em Coimbra

Posted by

“Foto: DR”

Uma exposição digital intitulada “Microrganismos de Estimação”, em que investigadores de instituições universitárias de Coimbra divulgam os seus microrganismos preferidos, está, desde hoje, disponível ‘online’, anunciaram, em nota de imprensa, os promotores da iniciativa.

A exposição, disponível no endereço https://exploratorio.wixsite.com/microrganismos, consta de fotografias de 45 microrganismos, sendo possível também “ouvir o testemunho de cada investigador sobre cada microrganismo escolhido”, através de uma ligação para um vídeo específico dos investigadores, professores e alunos envolvidos no projeto.

Consultada pela agência Lusa, a página de internet inclui microrganismos como o fermento, a bactéria Coli ou a Chitino, estirpe bacteriana isolada em 2014 pelo Laboratório de Microbiologia Ambiental da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) “do interior do tronco de um pinheiro-bravo”.

No vídeo associado à Chitino, a investigadora em microbiologia ambiental e coordenadora do projeto Microrganismos de Estimação, Paula Morais, explica as características da bactéria e revela que o laboratório onde exerce a sua atividade identificou, até ao momento, 27 espécies novas, quatro novos géneros e uma família nova de bactérias.

A exposição, segundo o comunicado, destina-se a assinalar a 5.ª edição do Dia Internacional do Microrganismo, que se celebra hoje, e tem organização conjunta da FCTUC, Faculdade de Farmácia (FFUC) e Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra (FMUC), Escola Universitária Vasco da Gama e o Exploratório Centro Ciência Viva de Coimbra.

“Num tempo em que há um microrganismo a marcar o quotidiano da nossa sociedade [o vírus Sars-Cov-2, que provoca a covid-19], quisemos dedicar o Dia Internacional do Microrganismo aos microrganismos que são o dia-a-dia dos investigadores em microbiologia e que compõem o seu mundo”, assinala a nota.

“Os microrganismos não se veem mas estão em todo o lado, e cada um de nós transporta mais de 100 milhões consigo. Sabemos muito pouco sobre os microrganismos, mas sabemos que podemos aprender muito com eles, de forma a conseguir enfrentar futuros desafios do ponto de vista da saúde pública, da proteção do ambiente e da produção agroalimentar. De um modo geral, sabemos que a nossa sociedade, no futuro, vai cada vez mais contar com os microrganismos para ser sustentável”, refere o comunicado.

Para além de Paula Morais, a coordenação e organização do projeto inclui Gabriela Silva, investigadora em Microbiologia e Parasitologia da FFUC, Teresa Gonçalves (FMUC), Sofia Anastácio e Eduarda Silveira da Escola Universitária Vasco da Gama e Paulo Trincão, Catarina Reis e Aurora Moreira do Exploratório Centro Ciência Viva de Coimbra.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.