“Mal de mim se não deixássemos melhor do que o que encontrámos”

Arquivo-Pedro Ramos

Como observa o atual contexto social e económico do concelho no quadro dos efeitos da pandemia?

Temos de reconhecer que este contexto de pandemia a todos nos afetou. Alterámos todo um conjunto de pressupostos que, de alguma forma, tínhamos como assumidos e que hoje não são tão óbvios. Em termos económicos, o setor onde sentimos que mais aconteceu foi na restauração. Houve largos períodos de tempo onde a sua atividade ficou prejudicada ou mesmo fechada. Diria que, tendo expectativa de que haveremos de ultrapassar esta questão, a covid teve efeitos nefastos no contexto social e económico dos territórios. Penacova não fugiu dessa realidade.

De que forma será possível restabelecer a dinâmica associativa e cultural do concelho no pós-pandemia?

Sinceramente, se esta situação for ultrapassável em termos sanitários – e não esperamos outra coisa –, penso que essa dinâmica se vai restabelecer com muita rapidez. Acho que as pessoas estão ansiosas por voltaram a estar juntas. Algumas [associações] poderão carecer de algum apoio financeiro adicional, que já discutimos e avaliámos, ainda não decidimos, embora tenhamos continuado sempre a dar os apoios habituais, independentemente de a atividade ter continuado ou não. Mas admito que nalguns casos isso possa não ser suficiente.

Versão completa na edição impressa e digital do DIÁRIO AS BEIRAS

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.