Projeto da CIM de Coimbra permitiu conservar plantas aquáticas ameaçadas de extinção

Posted by

DR

Um projeto desenvolvido pela Comunidade Intermunicipal (CIM) da Região de Coimbra permitiu, no último ano, conservar espécies de plantas aquáticas ameaçadas e em declínio nos municípios de Cantanhede, Condeixa-a-Nova, Figueira da Foz, Mira, Montemor-o-Velho e Soure.

O projeto FloraReply, que hoje terminou oficialmente, incidiu no combate às plantas invasoras e à reintrodução de espécies endémicas, “que já estavam perdidas ou quase desaparecidas nos ecossistemas”, segundo o secretário-executivo da CIM Região de Coimbra.

“Os objetivos passaram pela proteção e conservação de espécies de espaços naturais, restauro ecológico de habitats, conservação da biodiversidade, conservação da flora ameaçada e valorização das espécies ameaçadas”, explicou aos jornalistas Jorge Brito, numa apresentação realizada na manhã de hoje, na nascente da Arrifana, em Condeixa-a-Nova.

Segundo o responsável, o projeto insere-se nas ações de complementaridade ao Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas, que está a ser executado desde 2017 na CIM Região de Coimbra.

Com o FloraReply, financiado pelo Fundo Ambiental e executado em parceira com a Escola Superior Agrária de Coimbra, foi possível manter espécies como os nenúfares branco e amarelo, os saca-rolhas, estaque do baixo Mondego e lisimáquia-branca, que estavam em risco de extinção.

“Foram efetuadas cinco ações de restauro ecológico, cinco ações de conservação no local, uma colocação de barreiras artificias para proteção dos nenúfares, seis ações de conservação fora do local de origem, cinco mesas de interpretação ambiental e a realização de webinares de boas práticas”, disse Jorge Brito.

O secretário-executivo da CIM Região de Coimbra anunciou ainda que foi apresentado ao Fundo Ambiental o projeto Flora Cultura, que “cruza as boas práticas do programa ClimAgir (em vigor) e o do FloraReply, que tem como objetivo a criação de um espaço para a dinamização de atividades de educação ambiental”, através da criação de viveiros e espaços agrícolas.

O vice-presidente da CIM Região de Coimbra, José Brito, salientou que o balanço do FloraReply “é claramente positivo, em que se pode verificar nos locais intervencionados o antes e o depois, com melhorias substanciais na qualidade da água”.

“Este foi um projeto para afastar as invasoras e tentar o ressurgimento das plantas autóctones, que são importantes para a manutenção da qualidade da água e permitem aumentar a resiliência da região às alterações climáticas”, frisou.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.