Casa do Cinema de Coimbra nasce para criar um espaço de exibição alternativo

Posted by

D.R.

Três associações do setor juntaram-se para criar a Casa do Cinema de Coimbra, um espaço que pretende colmatar a falta de resposta de programação alternativa na cidade, ao mesmo tempo que reativa a “histórica” sala das Galerias Avenida.

Este é um projeto do festival de cinema Caminhos, numa coprodução com a Fila K Cineclube e com o Centro de Estudos Cinematográficos (CEC) da Associação Académica de Coimbra, que arranca já na quarta-feira e que já tem programação fechada para os próximos dois meses, disse à agência Lusa Tiago Santos, da direção do Caminhos.

A sala de cinema das Galerias Avenida, encerrada há cerca de 12 anos, já tinha sido reativada no final de 2020, durante dois meses, de forma exploratória, com programação do festival Caminhos do Cinema Português.

“Percebemos que o espaço reunia algumas condições e nós pretendíamos ter uma sala. Surgiu a oportunidade de a termos, mas não fazia sentido nenhum fazê-lo em exclusivo, quando há outros agentes na cidade”, salientou Tiago Santos.

Segundo este responsável do Caminhos, há a garantia de que a Casa do Cinema de Coimbra possa funcionar até ao final do ano nas Galerias Avenida, mas o objetivo é o de que o espaço consiga manter-se para lá de 2021.

“Este vai ser um espaço de reunião e uma casa funciona sempre com esse dinamismo, em que os vários inquilinos e habitantes se encontram. Também acaba por ser uma casa, porque vai dar teto a várias associações do setor”, salientou.

O Fila K vai ficar responsável por programar as terças-feiras, o CEC à quarta-feira e o Caminhos à sexta, estando ainda reservadas as manhãs do terceiro sábado de cada mês para matinés infantis, explicou.

Não é por acaso que a Casa do Cinema de Coimbra não vai ter sessões à segunda-feira (dia habitual de programação de cinema do Teatro Académico de Gil Vicente), salientou Tiago Santos, realçando que estão em “estreito contacto” com esse espaço cultural da cidade para que haja um esforço conjunto “na formação contínua de públicos”.

Os bilhetes terão um custo de três a quatro euros por sessão, sendo ainda possível comprar 10 ingressos por 20 euros e um livre-trânsito mensal de 30 euros.

No arranque deste novo espaço, haverá um destaque à filmografia do realizador sueco Roy Andersson, cujo filme “Vocês, os Vivos” ‘abre’ a Casa do Cinema na quarta-feira, uma parceria com o festival Queer Lisboa, e a exibição de filmes como “A Promessa”, de António de Macedo, “Bom Povo Português”, de Rui Simões, “E Agora? Lembra-me”, de Joaquim Pinto, e “A Cidade Viscosa”, de John Huston, entre outros.

Segundo Tiago Santos, “não há uma curadoria central”, tendo cada associação autonomia para a sua programação.

Para o presidente e fundador da Fila K, Paulo Fonseca, o projeto “é muito importante”, especialmente para um cineclube com 20 anos de vida em Coimbra e que não tinha “casa” permanente, sendo uma espécie de “saltimbanco pela cidade”.

Paulo Fonseca realça ainda o sentido “agregador” do projeto e o facto de dar “continuidade a um espaço emblemático” da cidade.

“Estamos muito gratos ao Caminhos, que tanto forçaram que conseguiram aqui uma brecha. Vamos ver se a Câmara de Coimbra tem a mesma leitura que nós e apoia este projeto”, frisou.

De acordo com Tiago Santos, o projeto foi candidato a financiamento do Instituto do Cinema e do Audiovisual (ICA), estando em fase de audiências de interessados, esperando também “sensibilizar o município para a importância de reativar um espaço como estes”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.