Suspeito de atear 10 incêndios em Oliveira do Bairro nega crimes em tribunal

Posted by

Um homem de 28 anos acusado de ter ateado 10 incêndios florestais em Oliveira do Bairro, em julho de 2020, negou hoje, no início do julgamento, todas as acusações, apesar de ter confessado os factos durante a investigação.

O arguido, que chegou a colaborar na reconstituição dos crimes, indicando à Polícia Judiciária os locais onde os focos de incêndio começaram, disse hoje no Tribunal de Aveiro que mentiu, afirmando que foram os polícias que o obrigaram a dizer aquilo.

Questionado pelo juiz presidente do coletivo de juízes, o arguido assumiu ainda que gosta de ver o trabalho dos bombeiros e os helicópteros a atuar, adiantando que gostava de ser bombeiro.

O homem está acusado de entre 08 e 21 de julho de 2020 ter ateado 10 incêndios, com o recurso a isqueiros, na Mamarrosa, em Oliveira do Bairro, no distrito de Aveiro, perto do local da sua residência, em terrenos agrícolas ou florestais onde existiam pinheiros, eucaliptos, sobreiros e cedros.

Num dos dias, o arguido terá ateado três incêndios no espaço de duas horas, tendo sido mobilizados os bombeiros e a GNR, num total de mais de uma centena de operacionais, apoiados por 10 viaturas e três helicópteros.

O suspeito foi detido pela PJ em 22 de julho de 2020, tendo-lhe sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva, que foi substituída pelo internamento preventivamente, em face da patologia psiquiátrica que o mesmo padece.

O MP diz que a personalidade do arguido “enquadra-se no perfil típico do incendiário”, apontando como possíveis motivações para a prática dos factos a “frustração e revolta pela má relação com o padrasto” e “a satisfação e prazer de ver as chamas e o trabalho dos meios de combate em especial dos helicópteros”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.