Festival Abril Dança em Coimbra assume “edição singular”que se estende até 2022

Posted by

FOTO DR

O Festival Abril Dança em Coimbra assume este ano “uma edição singular”, que se estende até 2022, devido à pandemia, num programa que conta com criações de Victor Hugo Pontes, Companhia Maior e a Europa Danse Company.

O festival organizado pelo Teatro Académico de Gil Vicente (TAGV) e pelo Convento São Francisco concentrava-se normalmente apenas no mês de abril, mas a pandemia e o confinamento obrigaram a organização a apresentar uma “edição singular”, que arranca na segunda-feira e termina apenas em 2022, contando com eventos presenciais e ‘online’, foi hoje anunciado.

O Abril Dança começa com a exibição do novo filme do francês Damien Manivel, “Os filhos de Isadora”, sobre a bailarina Isadora Duncan, estando previstas outras duas sessões de cinema – “Polina”, de Valerie Muller e Angelin Preljocaj, e “O Gesto”, de Elizabete Francisca, Francisca Manuel e Jennifer Bonn -, referiu a organização, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

A 27 e 28 de abril, é feita uma transmissão ‘online’ de “Bate Fado”, de Jonas&Lander, um espetáculo entre a dança e a música, com cinco bailarinos, uma fadista e três músicos, em que é proposto recuperar o ato de se sapatear o fado, com a dança a transformar-se num elemento de percussão.

“Bate Fado” será depois apresentado presencialmente a 09 de outubro no TAGV.

O TAGV recebe também a estreia de uma peça para “um quarteto em patins”, “Cabraquimera”, de Catarina Miranda, a 30 de abril, e acolhe “Partilhas/Exchanges”, de Filipa Francisco a 02 de junho.

Em agosto, o Convento São Francisco dá palco a “Drama”, uma criação de Victor Hugo Pontes que parte da peça de Pirandello “Seis Personagens à Procura de Um Ator”, e o espetáculo da Companhia Maior “O Lugar do Canto Está Vazio”, com coreografia de Sofia Dias e Vítor Roriz.

Em abril de 2022, o Convento São Francisco é palco para as últimas duas apresentações da edição do festival, com “Barro – Terra molhada onde a bota escorrega”, uma criação de Mafalda Deville para a Companhia Instável, e “Infiniment”, da companhia belga Europa Danse Company, onde se procura redescobrir as origens da dança clássica e neoclássica.

Ainda este ano, a 24 de abril, é também dinamizada uma oficina pela Associação PédeXumbo, intitulada “Zampadanças”.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.