Vacinas chegam a lar de Chãs “no olho do furacão” covid-19

Foi pelas 08H30 do dia de ontem que a inoculação dos clientes e dos funcionários da casa de repouso Solar das Chãs, no concelho de Miranda do Corvo, começou.
Como perante a covid-19 todos os cuidados são poucos para proteger a população idosa, no interior das instalações só entrou a equipa destacada pelo Centro de Saúde de Miranda do Corvo.
No entanto, a diretora técnica da instituição deslocou-se ao exterior para falar com o DIÁRIO AS BEIRAS sobre este acontecimento.

Quase todos vacinados
no Solar das Chãs
O Solar das Chãs não vacinou ontem todos os seus funcionários e os mais de 80 clientes (designação propositadamente escolhida pela responsável) “porque, realmente, [as vacinas alocadas] não foram as suficientes, mas são uma franjinha muito pequenina”, esclarece Fernanda Silvério. Adicionalmente, há funcionários que ficam fora deste dia de vacinação por se encontrarem de baixa médica (não por motivos de covid-19, assegura).

Sem casos covid-19
no interior
A instituição não registou nenhum caso de infeção por covid-19 no seu interior, apenas, em rastreio a funcionários a regressar de férias que, confirmados positivos, já não entraram nas instalações, indica. “Não entra, não há problema”, acrescenta.
“Até hoje, temos estado na paz dos anjos. Sentimo-nos se calhar um bocadinho no olho do furacão? Sentimos. Porque é evidente que o furacão anda aí à volta. E se o furacão aparecer ninguém escapa”, comenta Fernanda Silvério.

“O máximo de cuidados”
É com esta convicção que a instituição tem mantido “o máximo de cuidados”. Os vários edifícios do Solar das Chãs mantêm um funcionamento autónomo, com refeitórios independentes e os cuidados de prevenção do contágioestão presentes, garante a responsável: utilização de máscaras e de luvas, desinfeção das mãos e sua lavagem, assim como “não andar muito uns em cima dos outros”. A este respeito, acrescenta: “Obviamente, como se sabe, nesta instituição também se tem que prestar cuidados de higiene. Está estipulado que prestam os cuidados de higiene, mas têm o máximo de cuidado. A máscara molha, troca de máscara”.

Rastreios fazem
a diferença, diz diretora
Para a diretora técnica, o facto de a instituição realizar rastreios à covid-19 fez a diferença na prevenção.
A equipa do centro de saúde, com quatro ou cinco funcionários, foi apoiada no local pela equipa de saúde do Solar das Chãs, ontem presente na sua totalidade, explicou Fernanda Silvério que garantiu que, na manhã de ontem estava “a decorrer com a normalidade possível”.

Notícia completa na edição impressa de hoje

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.