Opinião: Não será a hora de uma palavra de esperança?