Tenta matar ex-mulher e companheiro a tiro

FOTO DB – ARQUIVO LUIS CARREGÃ

Cego de vingança, um homem de 55 anos tentou matar a ex-mulher e o atual companheiro desta, na terça-feira, em Furadouro, Condeixa-a-Nova.
O casal já estava separado há cerca de quatro anos, mas o homem nunca aceitou bem a possibilidade dela ter outro relacionamento, referiu ao DIÁRIO AS BEIRAS fonte policial. E, ao saber que a mulher tinha iniciado um novo relacionamento, decidiu “executar um plano de vingança”.
Planeou fazer “uma espera” ao atual companheiro da sua ex-mulher, de 49 anos, “acoitando-se” à porta da casa onde ambos pernoitavam. A vítima, camionista de profissão, saiu por volta da meia-noite da habitação. Nessa altura, o agressor foi direito a ele e disparou um tiro de caçadeira em direção à cabeça. A vítima “caiu de imediato no chão e quando a mulher vem em seu auxílio o agressor preparava-se para disparar um segundo tiro, chamado tiro de misericórdia”, descreve a fonte.
A mulher agarrou-se à arma e não deixou que o ex-marido disparasse. “Eu vou-te matar!”, terá dito o agressor. Enquanto ambos se envolviam numa luta aparece a filha do casal. Entretanto a vítima consegue fugir do local. Ainda foram disparados dois tiros para o ar, informou a fonte, mas a arma ficou sem munições e, neste momento, a mulher também aproveita para fugir.
Ao ver que já só se encontrava a filha no local, o homem coloca-se em fuga e vai esconder a arma numa zona de mato, revelou a mesma fonte. Voltou depois, acabando por ser detido pela GNR.
A Polícia Judiciária, através da Diretoria do Centro, prossegue com a investigação. O homem é suspeito de dois eventuais crimes de homicídio, na forma tentada, e de um crime de detenção de arma proibida.
A vítima sofreu “ferimentos graves na zona da cabeça, sendo que o disparo só não se revelou fatal por mero acaso”, considera a PJ. Fonte policial explicou que “o tiro atingiu a vítima de raspão no coro cabeludo. Se tivesse acertado tinha-lhe provocado a morte”.
O agressor, que reside na zona de Pombal, foi presente a primeiro interrogatório judicial, tendo sido aplicada a medida de coação de prisão preventiva.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.