Estudo conclui que PME portuguesas são “pouco eficientes” na aplicação dos fundos europeus