Desqualificação da urgência dos Covões configura desobediência, diz Ordem dos Médicos

Posted by

DR

A desqualificação da urgência do Hospital dos Covões, em Coimbra, configura “um ato de desobediência” da administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra perante o Ministério da Saúde, acusou hoje a Ordem dos Médicos do Centro.

A Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos (SRCOM) alertou hoje que a inexistência de um estudo prévio sobre “a desclassificação e redução da capacidade de resposta” da urgência do Hospital dos Covões “configura, na prática, um ato de desobediência perante o Ministério da Saúde”, por parte do Conselho de Administração do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC), do qual aquela unidade hospitalar faz parte.

“O Ministério da Saúde assume, em correspondência enviada à Ordem dos Médicos, a inexistência de qualquer estudo sobre a desclassificação da urgência do Hospital Geral, comummente conhecido como Hospital dos Covões”, afirmou hoje a SRCOM, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

De acordo com a Ordem dos Médicos, a tutela “esclarece que essa desqualificação nunca poderia ter lugar sem autorização superior e sem a existência de um estudo técnico”.

“Assim, a SRCOM insta o Conselho de Administração do CHUC a reverter o caminho de desmantelamento já iniciado e a respeitar as orientações provenientes superiores”, vincou.

Segundo a nota de imprensa, desde o início do ano, “a capacidade de internamento do Hospital dos Covões passou de 205 para 134 camas, o que representa uma redução de 71 camas”, sendo que a Unidade de Cuidados Intensivos Coronários e os serviços de internamento de Cardiologia, Ortotraumatologia e Pneumologia foram extintos, entre outros.

“O serviço de urgência – período das 09:00 às 21:00 – perdeu quase metade da equipa”, frisou a SRCOM, salientando que as urgências são asseguradas por uma equipa de oito médicos, quando em março eram asseguradas por 15 médicos.

O que está a acontecer no Hospital dos Covões “não é o desmantelamento de um hospital, é muito mais do que isso, é a contração perigosa de todo o CHUC, diminuindo a sua capacidade de resposta e o apoio que tem dado à população de toda a região Centro”, disse o presidente da SRCOM, Carlos Cortes, citado na nota de imprensa.

One Comment

  1. Espero que continue a funcionar devidamente, e que os políticos deste país se deixem de querer dar cabo do serviço nacional de saúde e privilegiar os amigos dos hospitais privados pagos com o dinheiro de todos os que pagam impostos (os pobres). Haja vergonha! Mantenham o hospital e os seus serviços em funcionamento. Farta de labdrões de colarinho

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.