Opinião – Um país previsível

Posted by

É previsível que o Covid-19 continue a alastrar pelo país, apesar das desbocadas loas tecidas ao “milagre português”, que levaram a um desconfinamento aligeirado.
É previsível que um Governo que não impediu desmedidos festejos no 1º de Maio, no início de setembro não impeça a mais que prevista Festa do Avante, também de ânimo comunista.
É previsível que a TAP custe ao erário muito mais que o previsto pelo Governo, e que o mesmo aconteça com as tão previstas necessidades de suprir défices do Novo Banco, que estas foram previamente contratualizadas entre privados e o Estado.
É previsível que o país arda descontroladamente neste verão, apesar das limpezas florestais a cargo dos pequenos e depauperados proprietários florestais, que transferem matos de um local para outro, sem terem lucro económico e/ou obterem vantagem ambiental.
É previsível que um país que nem valoriza resíduos sólidos urbanos veja os aterros controlados crescerem sem cessar, sem haver qualquer tipo de proveito ambiental, social, e económico.
É previsível que um país que não quer prospeções e explorações de petróleo na costa, e de lítio no interior, veja o desemprego crescer, sempre que o turismo afrouxe, ou quase que desapareça.
É previsível que um país que tendo tanto sol, água e terra, nem produz alimentos em quantidade suficiente para abastecer o povo, veja a dívida pública aumentar incessantemente.
É previsível que um país não seja competitivo, se a sua força de trabalho só raramente tiver formação profissional.
Era previsível que Costa Silva, gestor que depois de António Costa o ter nomeado, delineou o programa de recuperação da economia nacional num dia, ainda nem um esboço divulgasse.
Num país tão previsível, o dito Ronaldo das finanças públicas mostrou ter pés de barro, alma nómada e apetite tão voraz que só o Banco de Portugal o satisfará, com o beneplácito de quem a tudo diz que sim, a não ser que, a fingir, e se não tiver consequências políticas, diga que não.
Pelo que é previsível que, mais cedo ou mais tarde, alguns famosos tirem a máscara da impostura política, para usar as que reforçam o mais que imprescindível distanciamento social.
É tão previsível que o Presidente se recandidate a novo mandato, se puder continuar a dar mais beijinhos e abraços, e tirar uns milhões de “selfies” (algumas com o primeiro-ministro), como nem sequer dispute as próximas eleições, se a atual pandemia se agravar, acrescendo a essa prevista tragédia, o caos do previsível colapso da economia nacional, apesar de tantos, mas tantos milhões de euros que virão da União Europeia, que comunistas, bloquistas e outros iluminados entendiam que deveríamos abandonar para viver, melhor dito, para morrer sozinhos.
Vamos ao que importa! É tão previsível que FCP ou Benfica vençam a Primeira Liga nos próximos anos, como a Académica permaneça honradamente na Liga de Honra. É a vida! Como disse quem abalou doutro pântano nacional e que hoje está no olho dum furacão mundial.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.