Opinião – Parque verde

Posted by

 

Que solução propõe para o antigo terminal rodoviário?

As tendências da evolução assimétrica da distribuição da população em Portugal verificam-se também no concelho da Figueira, e portanto a litoralização (que é o processo de progressiva concentração de população e de atividades económicas ao longo da faixa litoral associado à perda de importância e consequente despovoamento do interior), se por um lado obriga a uma constante procura de soluções para os problemas existentes, por outro deve motivar à reflexão para o exercício de ações que contribuam para um desenvolvimento mais harmonioso e sustentável do futuro coletivo.
Assim, a utilização que proponho para o antigo terminal rodoviário está ancorada nos fatores simbólico (um dos espaços – com o Jardim Municipal – de ligação entre o núcleo urbano mais antigo virado para o rio e a mais nova cidade aberta para o mar, e não necessariamente o edifício, apesar de, em parte, ser “a ala nova do Liceu Velho da Figueira”), socioeconómico, urbanístico e ambiental.
Portanto, perante as três possibilidades (a renovação – implica a demolição total ou parcial do edifício e estruturas da área e respectiva reocupação com outras funções; a reabilitação – pressupõe uma intervenção nesta área degradada, visando a melhoria das condições físicas do edifício mas mantendo as funções para as quais foi construído; ou a requalificação – assenta numa alteração funcional do edifício e do espaço adjacente para proporcionar uma redistribuição da população e das atividades económicas ao redor), defendo a primeira, neste caso com a respetiva demolição total para, com máxima liberdade mas preservando a lógica de centralidade urbana, no espaço aí construir um Parque Verde, com as valências de Parque infantil e de lazer, e com o apoio de um quiosque com venda de café e de jornais e revistas e estacionamento à volta, mas, fundamentalmente, acessível por verdadeiras ciclovias com ligação a toda a cidade e a todo o concelho.

2 Comments

  1. Suzana Mateus says:

    Caro Teotónio, gosto da sua ideia, mas se for para demolir e construir como no centro da cidade, iremos verificar uma série de problemas… Vamos que se encontra uma pedra de estudo arqueológico e que não está catalogada no Museu Santos Rocha? Um problema e se depois deste um dos concorrentes da obra não a conseguir fazer por este impedimento? iremos nós Figueirenses ficar quantos anos a esperar a conclusão da obra? Tantos quantos estamos à espera da conclusão das obras na parte "velha" da cidade?? Iremos todos definhar e morrer a aguardar esta conclusão.
    Já agora que lhe escrevo a dar a minha singela opinião, e porque se trata de um parque verde, para quando a qualificação do parque "as novas abadias da Figueira" à entrada da cidade? Tem ideia?

    • Teotónio Cavaco says:

      Cara Suzana Mateus, muito grato pelas suas considerações. Telegraficamente: 1) Não defendo a construção de qualquer edifício naquele espaço, a não ser uma estrutura leve de apoio (quiosque); 2) as malfadadas obras na Rua dos Combatentes não revelaram qualquer novidade arqueológica, uma vez que esse espólio está há muito conhecido e catalogado, portanto o atraso nas referidas obras não tem qualquer outra explicação que não falta de devido planeamento; 3) o Parque verde à entrada na Figueira está infelizmente a ser ocupado por superfícies comerciais, sem fim à vista…

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.