Opinião: Moussa Marega

Posted by

Ficará para a história do futebol português. Podia ter sido um dia histórico na europa se todos os jogadores negros abandonassem o relvado, fossem do Guimarães ou do Porto. Os reguladores estão em silêncio há décadas no futebol português. Essencial é erradicar a violência (não só no futebol) e também o racismo (não só do futebol). Moussa saiu irritado e farto. Jogou no Guimarães e joga agora no Porto. O ataque de que foi vítima não se destinava “aos pretos”, havia muitos no campo, mas era uma provocação usando contexto racista contra “aquele preto específico”. Já vi coisas parecidas antes. Já vi estúpidos gritarem “preto!” ao benjamin que na outra equipa chocou com o seu filho. São crianças, Senhor! O que acontece em Guimarães é muito do que é estúpido na sociedade: 1- o efeito de manada, 2- a força dos inocentes que pactuam com o abaixo-assinado que não leram, 3- a leveza com que se segue o grupo, 4- o fanatismo das hostes do futebol, 5- a redutora cultura que nos leva apenas a anedotas, futebol e bitaites. Moussa Marega já não é jogador, é uma bandeira. Ele é a vontade de mudar a história das claques, onde há centenas de pretos que gritam cânticos racistas – hilariante toleima – onde há ocupação de espaço de lazer por parvos armados e carregando contenda. Todos os que chamam monhé a António Costa têm sua dose de racismo. Eu sou monhé! E se sou neto de indianos por sangue hoje sou Moussa por convicção. Se fosse preto e estivesse naquele campo tinha saído contigo! Resta filmar, identificar e exercer as coimas devidas a todos estes parvos. Depois há que acabar com as claques. Depois há que erradicar do futebol pais, jogadores, treinadores, dirigentes e comentadores que se excedam. É uma manifestação da mediocridade das sociedades a importância que o futebol ganhou nelas. A incultura de quem só sabe de bola, a pequenez de quem apenas discute lances de futebol, a menoridade de quem perde uma tarde de amizade numa clubite odiosa. Pais enlouquecidos na esperança de um filho que jogue em clubes de nomeada. São milhões que mudariam seus destinos. O motor é medido em sucesso financeiro. Tudo se resumo ao Deus dinheiro.

One Comment

  1. Já não bastava o Gandhi de Lisboa, agora também temos um em Coimbra.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.