Opinião: O aeroporto do consenso