“Um grito da sociedade civil à AR”

João Palmeiro, presidente da Associação Portuguesa de Imprensa, na sessão de abertura do evento

“Um grito da sociedade civil à Assembleia da República (AR)”. É este o propósito da petição pública que a Associação Portuguesa de Imprensa (API) quer ver assinada por 25 mil pessoas, para alertar para o atual estado da imprensa no nosso país que, segundo a API, “atravessa a maior crise de sempre”.
João Palmeiro, presidente da associação, espera que, daqui um ano, se possa prestar contas desta iniciativa, dizendo à AR que esta “é uma das maiores petições de sempre em Portugal”.
Estas (e outras) ideias foram ontem avançadas pelo dirigente, na sessão que marcou a abertura do Dia Nacional da Imprensa, que se realizou na Coimbra Business School|ISCAC.
Em breve, em todos os postos de venda de jornais nacionais, vão ser colocados cartazes apelando à assinatura do documento, adiantou João Palmeiro.
A propósito do Dia Nacional, o presidente lembra que é preciso “convencer todos de que estamos a falar do futuro, também, de todos os portugueses”, esperando que o encontro de ontem possa trazer contributos para o futuro da comunicação social portuguesa.
De acordo com o responsável, cumprir a lei dos apoios do Estado à comunicação social, substituir o depósito legal em papel por digital ou majorar o IRC das empresas que fazem publicidade nos media, são algumas das medidas futuras para o setor, assim como a necessidade de novo contrato do serviço postal dos CTT, já que “os jornais são dos seus maiores clientes”, acrescentou.
À margem da sua intervenção, João Palmeiro revelou ao DIÁRIO AS BEIRAS que o “Dia Nacional da Imprensa é um momento de reflexão e afirmação”.
O primeiro ponto este ano, continuou, é “o que é a sustentabilidade”, enquanto a “afirmação é que precisamos que os poderes públicos compreendam que tipo de ajudas ou apoios são os que podem, de facto, ajudar à reflexão que fazemos hoje [ontem]”.
Momento importante
para os media nacionais
Para o dirigente da API, este é um momento importante para os media nacionais.

Notícia completa na edição impressa de hoje

One Comment

  1. Poortugues says:

    Os jornais/media são dos maiores responsáveis pelas fake news e pela desinformação que circula por aí. Estamos fartos de notícias encomendadas e clickbaites. O primeiro grito da sociedade civil é para os media e não para a AR.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.