Autarquia da Figueira da Foz considera sentença do Paço de Maiorca “desproporcionada”

Posted by

FOTO PEDRO AGOSTINHO CRUZ

O presidente da Câmara da Figueira da Foz, Carlos Monteiro, em declarações ao DIÁRIO AS BEIRAS, reagindo às notícias sobre o processo do Paço de Maiorca, considerou que “a sentença e o valor são desproporcionados”.

O processo do Paço de Maiorca remonta a 2011, quando a Câmara da Figueira da Foz, na altura presidida por João Ataíde (PS), decidiu pela paragem das obras, iniciadas dois anos antes, que estavam a transformar o imóvel classificado numa unidade hoteleira de charme.

O tribunal sentenciou a favor do BPI, que reclama o pagamento de cerca de cinco milhões de euros. Aquele valor coincide com os montantes dos créditos concedidos à empresa mista constituída pela extinta empresa municipal FGT e um grupo hoteleiro, declarada insolvente em 2016, criada para a reabilitação do antigo paço e a sua exploração turística. A autarquia vai recorrer da sentença.

Informação completa na edição impressa de amanhã, 13 de dezembro

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado.

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.