Escola de Enfermagem quer aposta no Ensino pós-graduado e aulas em ambiente clínico

FOTO DB/PEDRO RAMOS

Depois de voltar a ter quatro vezes mais candidatos do que vagas disponíveis (356), a Escola Superior de Enfermagem de Coimbra assume-se como uma das instituições de ensino superior mais atrativas, mas enfrenta outros problemas, nomeadamente no que respeita à aprendizagem em ambiente clínico.

“Não temos uma crise de procura”, garantiu a presidente da escola, Aida Cruz Mendes, ontem na cerimónia de abertura solene das aulas. “Porém, a formação em enfermagem tem uma forte componente de aprendizagem em ambiente clínico”, acrescentou, e, “apesar do apoio do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra e da Administração Regional de Saúde do Centro, algumas dificuldades subsistem na criação de condições para que mais estudantes possam usufruir de condições favoráveis à aprendizagem em ambiente clínico na região”.

Havendo já casos, revelou, em que os alunos da ESEnfC vão para outras regiões do país para o poderem fazer e até outros países o que representa “custos acrescidos nem sempre possíveis de suportar para os estudantes”.

Versão completa na edição impressa

One Comment

  1. É fundamental que seja dada mais formação em contexto clínico. Os recém-formados estão a contar com a formação em contexto de trabalho, o que coloca nas instituição (públicas ou privadas) uma responsabilidade que não deveria ser inteiramente sua, face à falta de preparação em contexto universitário.

    Não conheço soluções para esta problemática, mas reconhecerem o problema é um primeiro passo. Fico contente que assim seja!

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.