Diário de Arganil: Investimento será “o maior de sempre neste mandato”

DB-Pedro Ramos

Estão a ser feitos muitos investimentos em Arganil. Quais são os mais importantes?
Nós temos um conjunto muito significativo de investimentos na área do abastecimento de água e do saneamento, alguns que estão a ser realizados diretamente pelo município, outros no âmbito da parceria com as Águas do Centro Litoral. Naquilo que tem a ver com este setor, neste horizonte temporal de quatro anos de mandato, vão acontecer no território cerca de 10 milhões [de euros] em investimentos. Nesta área, nunca beneficiámos de um volume de investimento com esta grandeza.

Os incêndios tiveram um grande impacto no concelho…
Ainda assim, temos conseguido fazer a replanificação daquilo que era o nosso programa de governo para quatro anos. Como deve imaginar, os incêndios de 15 e 16 de outubro vieram demonstrar que, por melhor que sejam os planos, podem ser alterados por via das circunstâncias de um dia para o outro.
Foi isso que nos aconteceu e, portanto, nós andámos, basicamente, o que restou do ano de 2017 e o ano de 2018, a trabalhar por conta do pós-incêndio. Aquilo que eram as nossas intenções, os nossos projetos, ficaram significativamente prejudicados por essa circunstância.
2019 é o ano em que conseguimos voltar a retomar os nossos projetos e estamos a fazê-lo ao nível de coisas tão críticas como seja a nossa aposta na captação e na fixação de empresas, com uma intervenção muito significativa ao nível das áreas de localização empresarial, onde, neste horizonte de mandato de quatro anos, contamos investir mais de quatro milhões de euros.

A rede viária também tem tido investimentos consideráveis…
Estamos neste momento a recuperar o tempo perdido relativamente a esse processo e, portanto, temos um conjunto de intervenções ainda muito significativas para fazer no concelho.
O município de Arganil, naquilo que é a área de influência da CCDR, a par com o município de Vouzela foram, relativamente aos incêndios de outubro, os municípios com mais prejuízos nas infraestruturas públicas. Ao nível da rede viária, em alguns locais, o processo de degradação acentuou-se com os incêndios.
Este é um processo que tem financiamento do Fundo de Solidariedade Europeia, que andou muito mais devagar do que aquilo que os municípios gostariam, principalmente, muito mais devagar do que os cidadãos gostavam.

Passados dois anos, a paisagem já é diferente.
Nós estamos agora felizmente a alterar a paisagem, mas, há três ou quatro meses, ainda nos sentíamos um bocadinho deprimidos quando circulávamos pelas nossas estradas e, regra geral, a sinalética ainda se mantinha queimada. Diria que a paisagem, naquilo que tem a ver com o que é percetível à visão, está a melhorar, mas principalmente naquilo que tem a ver com a segurança de circulação, de boas condições rodoviárias.

Pode ler a entrevista completa e consultar as imagens que marcaram o dia em Arganil, na edição impressa deste fim de semana, 7 e 8 de setembro, do Diário As Beiras

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.