Lousã regista “aumento significativo” da presença da vespa velutina

Posted by

DR

Cinquenta ninhos de vespa velutina foram destruídos nos últimos meses na Lousã pelo serviço municipal de veterinária em resultado de um “aumento significativo” deste inseto no concelho, informou hoje a autarquia.

Em comunicado, a Câmara da Lousã, no distrito de Coimbra, diz ser “muito importante o reforço da intervenção na eliminação” dos ninhos daquela vespa de origem asiática, um trabalho que tem sido realizado com a colaboração dos Bombeiros Municipais da Lousã e Voluntários de Serpins.

Entretanto, segundo a nota, o município liderado por Luís Antunes foi contemplado com um apoio de 10 mil euros, na sequência de uma candidatura às verbas do Estado para a destruição desses ninhos, num concelho onde funciona a sede da Cooperativa Lousãmel.

“A medida insere-se no eixo de intervenção ‘Funções ecológicas, sociais e culturais da floresta’, do Fundo Florestal Permanente, e visa apoiar financeiramente os municípios na tarefa de deteção e destruição dos ninhos de vespa velutina”, que tem dizimado colmeias em várias regiões de Portugal.

“Tem havido queixas dos apicultores e de que maneira”, disse à agência Lusa, há um ano, o presidente da Lousãmel, António Carvalho.

A gestão da denominação de origem controlada (DOP) Serra da Lousã está confiada a esta cooperativa, em representação do Estado, abrangendo os municípios de Lousã, Miranda do Corvo, Penela, Figueiró dos Vinhos, Pedrógão Grande, Castanheira de Pera, Pampilhosa da Serra, Arganil, Góis e Vila Nova de Poiares, nos distritos de Coimbra e Leiria.

Alguns associados “até dizem que desistem” da atividade apícola, alertou aquele produtor e dirigente.

“Muitas colmeias vão ao ar”, segundo António Carvalho, que, depois dos incêndios e da instabilidade climática, lamentou mais esta ameaça à produção do mel certificado da Serra da Lousã.

A vespa velutina “veio trazer transtornos muito grandes” ao setor, o que obrigará a “alterações no maneio” das colmeias.

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.